Prazeres da mesa

Viagens, Vinhos

OS RIOJA DA VEGA SICILIA

Ao lado dos consagrados tintos de Ribera del Duero e Toro, os recém-lançados riojanos fazem bonito

Por: Prazeres Da Mesa | 8.jul.2016

Por Luis Gastão Bolonhez

Fotos: Divulgação 

Nome mais forte e famoso do universo do vinho espanhol, a casa Vega Sicilia, consagrada em Ribera del Duero, chega agora à Rioja, a mais importante região da Espanha. A vinícola foi fundada em 1864 por Eloy Lecanda, que apostava suas fichas na Tempranillo da Rioja (conhecida como Tinta del Pais, na Ribera del Duero) mesclada com castas de origem francesa, como Cabernet Sauvignon, Malbec, Merlot e Pinot Noir. Com o passar dos anos a casa mudou de mãos e o segundo proprietário foi a Família Herrero, responsável pelo lançamento de vinhos excepcionais. As primeiras safras dos Vega Sicilia e Valbuena eram oferecidas à aristocracia europeia e não podiam ser compradas, só eram obtidas por meio de amigos com recomendação específica. O que, claro, ajudou a criar a aura mítica do vinho.

Em 1982, uma nova venda, dessa vez para o empresário David Alvarez e seus filhos, Pablo, Jesus David, Emilio, Maria José, Juan Carlos, Elvira e Marta. O trabalho de todos os Alvarez foi árduo tanto na propriedade quanto na tecnologia de produção, e, principalmente, nas vinhas.

Além de consolidar cada vez mais a marca em Ribera del Duero, passou a investir em outras regiões, como Toro, até chegar à aclamada Rioja. Foi na década de 1990 que a empresa fez suas apostas mais arrojadas. Em 1991, construiu um centro de produção apenas para o Alión, com 100 hectares; em 1993, a empresa adquiriu a Tokaji Oremus, na Hungria, e em 1997 começou a produção do Pintia, em Toro. Mas faltava colocar a grife na famosa Rioja, o que aconteceu no início dos anos 2000, em um projeto desenvolvido em parceria com Benjamin de Rothschild, do icônico Lafite Rothschild.

01/12

Macán já é sucesso

Depois de mais de uma década de pesquisas e compras “secretas” de vinhedos na região da Rioja, as duas empresas fundaram a Bodega Benjamin de Rothschild & Vega Sicilia. A propriedade fica localizada a cerca de 2 quilômetros do centro do povoado de Samaniego, a pouco mais de 25 quilômetros, a noroeste da capital da Rioja, Logroño. O objetivo seria elaborar vinhos que trouxessem de volta a elegância dos tintos da Rioja das décadas de 1960 e 1970, primando pela finesse, classe e pureza, com a força e o corpo dos riojanos mais modernos. Além da competência das famílias, a joint venture contou com a consultoria de Fernando Remírez de Ganuza, um craque na produção de grandes tintos na região. A nova empresa foi adquirindo vinhedos de excelente localização, com vinhas muito antigas, algumas datando da década de 20 do século passado, quatro safras experimentais foram vinificadas e o vinho foi lançado no mercado pela primeira vez com tintos da safra 2009, depois de mais de três anos estagiando em garrafa.

Pablo Alvarez esteve no Brasil a convite da  importadora Mistral para comandar uma degustação com seus vinhos. Começou com um branco seco, delicioso e marcante, o Mandolas Furmint 2011. Produzido na propriedade da Hungria, Oremus, é elaborado com base em 100% da casta Furmint. Estava muito vivo aos 4 anos de idade e mostrando acidez e estrutura para ainda permanecer no ápice por mais dois ou três anos. Uma bela surpresa.

A sequência de tintos foi absolutamente de tirar o fôlego. Tivemos na ordem de degustação o Macán Classico 2010 e o Macán 2010, ambos da Rioja; o Pintia 2008 de Toro, e os Ribera, Alión 2011, Vega Sicilia Valbuena 5o Año 2009 e Vega Sicilia 2004 (veja no Top 100, que o Vega Gran Reserva, da mesma safra, foi eleito o vinho do ano). Para o Grand Finale foi servido o imponente e marcante doce húngaro Tokaji Aszú 5 Puttonyos 2005, aqui também um Furmint, mas esse produzido de uvas atacadas pela podridão nobre (Botrytis cinerea), o mesmo fungo que ataca as uvas dos grandes doces franceses, com destaque para os Sauternes.

São essas as degustações que entram para a história e que mostram que, de empresas com tradição, só podemos esperar grandes vinhos.

01/12

Matérias Relacionadas