Prazeres da mesa

Cervejas

Cervejas e queijos

A combinação pouco testada pode render momentos de puro prazer gastronômico

Por: Prazeres Da Mesa | 5.jan.2011

Muito se fala sobre harmonizações de queijos com vinhos. Mas você já tentou harmonizar seus queijos prediletos com cerveja? O resultado vai ser esplêndido – palavra de cervejeiros, mais que comprovada pelo público que participou da concorrida degustação na Semana Mesa SP.  Os mais de 30 presentes provaram diversas combinações na aula ministrada por este colunista e pelo especialista em queijos do Grupo Pão de Açúcar, Jair Jorge Leandro. 

Na maioria dos casos, a harmonização de queijos com cerveja ocorre por semelhança, e não por contraste. Sabores comuns a ambos os ingredientes (de nozes, pães, cereais, amêndoas e caramelo) facilitam as combinações. A carbonatação presente na cerveja é outra grande aliada nesse tipo de degustação, uma vez que equilibra a gordura dos queijos e ainda limpa as papilas gustativas para a próxima mordida. O amargor age da mesma forma e confere refrescância ao paladar. Sem falar no sabor adocicado de alguns queijos que faz par com o açúcar presente no malte da cerveja.

Em nossa degustação, Jair apresentou cinco queijos selecionados por ele. Começamos com um light chamado Veermer combinado com a Bamberg Helles, recém-lançada pela cervejaria de Votorantim. Seguimos para o holandês Casablanca, feito de leite de cabra, que harmonizou perfeitamente com a blumenauense Eisenbahn Weiss. A Starklager Petra Aurum fez duo com um queijo gouda maturado, enquanto a potente Baden Baden Red Ale provocou uma explosão de sabores com o queijo Bergader, alemão de mofo azul. 

Para finalizar, um parmesão uruguaio para encarar a brasileira Colorado Indica e a americana Flying Dog Imperial Porter. A primeira rendeu uma bela combinação, mas a segunda era mais potente do que o queijo e gerou certo desequilíbrio no casamento. Quando combinada com o Bergader, porém, a morena se redimiu com uma das melhores combinações da tarde. 

A frase do americano Garrett Oliver, o papa da harmonização de cerveja com comida, foi nossa escolhida para terminar os trabalhos da tarde: “Em uma harmonização correta, a de queijos e cerveja é tão perfeita que não se sabe onde termina a cerveja e onde começa o queijo.” O público, ao que parece, assinou embaixo.

Cerveja com chocolate
Por Horst Kissmann

Quando as risadas do bate-papo no fim de uma refeição incomodam os ranzinzas da mesa ao lado, a sobremesa é pedida certo. Melhor se acompanhada de chocolate e, melhor ainda, na companhia de alguma bebida alcoólica. A primeira que vem à cabeça é, naturalmente, um vinho fortificado – Porto ou Madeira, ambos provenientes de localidades portuguesas que dão nome às bebidas. Os que preferem notas mais fortes podem pedir um bom uísque, que também cumpre a tarefa. Porém, vale notar que algumas cervejas também se prestam (e com maestria!) a essa função. A ideia dessa harmonização é abrir o leque de experiências gastronômicas que a bebida pode oferecer. “Para não errar, basta escolher cervejas que tenham muitas notas aromáticas de chocolate e café”, diz Michael Zepf, da Doemens Academy, escola alemã que ensina os alunos a fabricar cervejas e oferece cursos de capacitação para atuação na área. O especialista vai iniciar no Brasil, em breve, o programa educacional de beer sommelier, uma parceria entre a alemã Doemens e o Senac. Para a mestre cervejeira Cilene Saorin, vale também arriscar combinações com rótulos que contrapõem a doçura do chocolate com o amargor ou a acidez da cerveja. Confira as boas sugestões da moça, que também é sommelière de louras e morenas.

Colorado Demoiselle 
Acompanha bem:
chocolate branco
Tipo: Porter
Álcool: 6%
Conteúdo: 600 ml

Cerveja do estilo coffee Porter, originário da escola de cervejaria inglesa, é uma mistura que conta com a introdução de café em infusão a frio como ingrediente inusitado. Por isso, tem característica própria marcada pelas fortes notas de café. 

É seca, com baixo teor de açúcar e encorpada. Colorado, R$ 9,75

Bamberg Schwarzbier
Acompanha bem:
chocolate ao leite
Tipo: Schwarzbier
Álcool: 5%
Conteúdo: 600 ml

A cerveja que segue preceitos da escola alemã leva no nome a palavra schwarz, que significa preto. Feita com base em maltes com maior torrefação, que aparecem bastante em seus aromas, essa cerveja tem baixa fermentação. Pouco encorpada, leve, refrescante, seca, tem amargor e adstringência evidentes. Bamberg, R$ 8,90

Baden Baden Stout
Acompanha bem:
chocolate meio amargo
Tipo: Stout
Álcool: 7,5%
Conteúdo: 600 ml

Produzida com os princípios da escola inglesa, essa cerveja é robusta, tem elevado teor alcoólico e forte presença de malte. A passagem por fermentação alta lhe confere boas notas de levedura, além de aromas secundários, como o de banana. Bebida de peso e personalidade, ela é untuosa na boca e apresenta sabor residual de açúcar. Baden Baden, R$ 11

Matérias Relacionadas

Os comentários estão fechados.