Prazeres da mesa

Abaixo o cardápio Kids

Por: Prazeres Da Mesa | 29.jan.2016

Meu filho é um jovem rapaz. Mas, hoje peço licença para voltar 10 anos no tempo porque o tema merece: o cardápio kids.

Chegamos os três – pais, mãe e filho de sete anos – em um bistrô de São Paulo. O maître nos recebe, nos acomoda e oferece – a mim e ao pai do meu filho – o cardápio do restaurante, indicando, ao final dele, a opção dos pratos kids.

Meu filho já sabe ler, mas não é contemplado com um cardápio e, desde cedo, vamos roubando dos pequenininos o livre arbítrio à mesa.

Sorrio amarelo e agradeço, mas desconsidero as sugestões do maître, todas no diminutivo: bifinho, macarrãozinho, batatinha.

Mudo de cena e corto para a cozinha da minha casa. Flash back ainda mais antigo, meu filho tem apenas quatro anos.

Admito que não sou a melhor cozinheira do mundo, mas a cozinha lá de casa é um espaço de brincadeiras e a gente se arrisca. Todos os dias vamos juntos preparar o nosso almoço antes do meu filho ir para a escola e eu para o trabalho.

Amarro um aventalzinho no pimpolho e outro em mim.Posiciono um banquinho ao lado da bancada da pia, pego o menininho no colo e o ajeito lá em cima. Entrego a ele um descascador de batatas e a bacia com as batatas. Abro os trabalhos, mostrando a ele como faz para tirar a casca fina. Explico que a batata nasce na terra, que é preciso lavar bem… “Me dá, me dá… eu quero fazer”, ele pede. E vai descascando as batatas gordas que, depois serão amassadas por ele mesmo, mexidas na panela com manteiga por mim, para virar o purê que vamos comer com o nosso picadinho de carne.

Penso duas vezes se coloco a salsinha picada – sempre voa pela cozinha e depois vai me dar um trabalhão para pegar tudo. Mas, sim… Vamos picar salsinha e colocar no prato. Meu filho está orgulhoso e ocupado, tem apurado o paladar nas nossas incursões culinárias e, ao final de tudo isso, claro, está faminto também.

Eu canto pra ele: come, come, come que a mamãe fica contente. Come, come, pra ficar mais forte e inteligente e ele gargalha. Anuncio que no fim da tarde faremos biscoitos e ele esfrega as mãozinhas.

As crianças conhecem seu poder de manipular os pais através da comida. Mas, aqui eu deixei o jogo de poder de lado e escolhi me entregar às panelas junto com meu filho um dia depois do outro.

E, por isso tudo, você já está entendendo a minha chateação a cada oferta de cardápio kids nos restaurantes, não é? Porque o cardápio kids não é inclusivo, ao contrário. Faz com que as crianças fiquem apartadas do que acontece à mesa. Não comem como os outros e a variedade inexiste.

Muitos restaurantes retrucam: é que as crianças gostam disso mesmo: batata frita, nuggets e macarrão.Eu rebato: não gostam! Comem porque não tiveram a oportunidade de experimentar outra coisa.

Além do mais, os cardápios kids são uma péssima opção nesses tempos em que a infância anda tão obesa. 35% das crianças brasileiras estão acima do peso e 20% já sofrem de obesidade.

Fazer um filho comer bem, gostar de experimentar novos sabores, eu concordo que não é fácil. Demanda tempo, energia, paciência e, sobretudo disposição… Mas, também envolve diversão. E pode acreditar que frutos muito bons brotam dessa semeadura.

Coluna Inês de  Castro

INES Castro_pb

É jornalista, colunista da Rádio BandNews FM e autora dos livros Etiqueta da Beleza, A Moda no Trabalho e O Guia das Curiosas, pela Pandabooks. Em 30 anos de carreira, escreveu para as revistas Claudia, ELLE, Playboy, VIP e Marie Claire.

Colunas recentes

Colunas