Prazeres da mesa

Aqui se fala português

Por: Prazeres Da Mesa | 28.apr.2015

Por trás de uma simpática loja de vinhos em Paris está uma sommelière brasileira apaixonada por rótulos orgânicos e pelo prazer de compartilhar conhecimento

Marina Giuberti é uma sommelière brasileira diplomada na França e na Itália que abriu sua enoteca no coração de Paris. A Divvino, como é chamada sua loja, fica situada no 11° arrondissement e oferece cursos, inclusive em português. Capixaba que adotou o Rio de Janeiro, onde morou por 10 anos, Marina tem descendência italiana. Cresceu tomando vinhos durante as refeições em família. Dai a escolha por Milão, onde se formou no Master Food & Wine no ICIF, Piemonte. Para refinar seu currículo, ela trabalhou como cozinheira nos restaurantes Le Calandre, em Padua; e no Joia, em Milão.

Curiosa a respeito de tudo, Marina foi para Paris em 2006, onde trabalhou nos restaurantes Taverna degli Amici (hoje Ristoranti di Como); no L’Agapé e no La Bigarrade. Pouco tempo depois, obteve o diploma de sommelière na França, com o titulo BEP – Brevet Professional de L’Etat. E é com muito orgulho que Marina conta ser atualmente membro convidado da  “Education Nationale Française” e fazer parte do júri que avalia os jovens sommeliers na França. A bela ainda soma experiência de cinco anos como sommelière e gerente na enoteca La Carte des Vins, na Bastilha.

Em dezembro de 2013, ela inaugurou a Divvino que, além de ter 900 rótulos, oferece duas oficinas por semana. Na intitulada « Terroir », fala-se sobre cinco vinhos franceses de alto padrão, representando cinco regiões do país, e custa 99 euros. Já o curso « Grand Cru » é focado em cinco vinhos excepcionais de diferentes terroirs, diferentes safras e/ou vinhos “míticos” da enologia francesa. Esse dá direito à recepção com champanhe Préstige e custa 155 euros. Ambos duram em média três horas e a reserva é obrigatória. Novidade é o curso « Vin Express », na hora do almoço, começando às 13h30, com degustação de três vinhos harmonizados com degustação de queijos franceses. Dura 1h30.

Após um bate papo agradável, regado a boas taças, Marina conta sua preferência pelos pequenos produtores, ainda não conhecidos, e também pelos vinhos orgânicos e naturais, que representam 80% de suas vendas. Ela diz que uma vez que se acostuma a beber vinhos orgânicos ou naturais não há volta, pois o fato de não sentir o sulfito é tão agradável que se torna óbvio até numa degustação às cegas.

Uma vez por semana, a Divvino recebe um produtor para uma degustação aberta ao público. Aos 36 anos, Marina confessa que compartilhar com o próximo essa energia que o vinho nos traz sempre será a maior motivação do seu trabalho. Pessoalmente, recomendo o champagne Egly-Ouriet Brut Tradition Grand Cru, à venda por 49 euros, ou ainda o tinto Chambolle-Musigny, de Philippe Pacalet.

DIVVINO Wine Cellar & Wine Class  163 Bd. Voltaire, 75011, metrô: Charbonne

Marina Gobet_site

*Formada em gastronomia pela Lenôtre, a paulistana Marina Gobet tem a sorte de morar em Paris há mais de dez anos.

Colunas recentes

Colunas