Prazeres da mesa

Cheguei agora e vou sentar na janelinha

Por: Prazeres Da Mesa | 1.dec.2017

Quanto vale o ambiente de um restaurante na conta que você paga? Meu filho de 19 anos diz que vale 60%. Achei demais e perguntei o porquê da avaliação. ¨Porque se você é bem recebido e fica bem acomodado, também fica mais predisposto a gostar do que vão lhe servir¨, respondeu. Não dá para discordar.

Há tempos eu queria ir ao Esther Rooftop, do Olivier Anquier, mas vinha adiando. É longe de casa, tinha de programar os horários para não chegar quando o restaurante estivesse lotado.

Conheci o Olivier quando ele era modelo, nos anos 1980, ensaiava os primeiros passos para estrear na panificação elegante que, mais tarde, lhe traria tanta fama. Nos encontramos, certa vez, em um desfile de Giorgio Armani aqui no Brasil, para o qual o Olivier figurava como mestre de cerimônias e representava uma das fragrâncias da marca.

Ele não fez só as honras da casa; foi de uma gentileza ímpar. Conversou com as convidadas, sentou-se à mesa conosco, contou tantas histórias saborosas que o evento de três horas passou como se fossem cinco minutos.

Vai daí que o Olivier virou um querido pra mim. Gosto dos programas que ele apresenta na televisão, aquele sotaque torto que ele tem, estou predisposta a gostar dele e das empreitadas que ele encampa. Vai daí que eu andava curiosa para conhecer o Rooftop do Olivier, na região da Praça da República, em São Paulo. E fui.

Chegamos em um horário improvável para um almoço de sábado e nos instalaram em uma mesinha para dois colada à janela. A vista é linda – as copas das árvores da praça, a Casa Caetano de Campos, um dos marcos na renovação do ensino no Brasil -onde funcionou a primeira escola normal, a feirinha caótica misturando tudo isso.

Minha mãe, que está com 84 anos e não se cansa de andar por São Paulo, já havia me alertado: pede uma mesa na janela que você vai se encantar com a beleza de São Paulo. Estava certíssima.

O garçom foi paciente ao aguardar que eu fizesse minha escolha enquanto observava detalhes da cidade cinza e verde, verde e amarela, a cidade de todas as cores, esta São Paulo onde vivo. Me recomendou o risoto de abóbora e aceitei a sugestão.

Tivemos tempo para conversar muito, falar, ouvir, só observar lá fora e lá do alto, também observar por dentro do Esther, com seus detalhes cinquentinhas. Que tarde.

Como um quadro magnífico que se engrandece com a moldura que lhe dão, assim tem sido com os pratos que escolhemos saborear. Se não andarem, ambos, em parceria afinada, sinto, mas vão ceder a vez a um outro

INES Castro_pb

É jornalista, colunista da Rádio BandNews FM e autora dos livros Etiqueta da Beleza, A Moda no Trabalho e O Guia das Curiosas, pela Pandabooks. Em 30 anos de carreira, escreveu para as revistas Claudia, ELLE, Playboy, VIP e Marie Claire.

Colunas recentes

Colunas