Prazeres da mesa

Como nasce um clássico

Por: Prazeres Da Mesa | 24.aug.2017

O encontro do “banqueiro da máfia” com um chef meticuloso e sonhador resultou no restaurante londrino mais comentado do momento

Na gastronomia e na vida, nem sempre os planos saem conforme o esperado. O italiano Luca Longobardi, antes de virar restaurateur em Londres, ficou conhecido como o “banqueiro da máfia”. Uma sucessão de mal-entendidos e a burocracia fizeram seu nome parar na lista de procurados da Interpol. Ele era dono de um banco de investimentos em Porto Alegre e estava casado com a Miss Brasil quando foi preso. Ficou 30 dias na prisão de segurança máxima de São Paulo, antes de ser liberado e ter seu caso arquivado. Depois de ver a vida ruir, Luca deixou definitivamente o Brasil, escreveu um livro com sua história (best-seller em inglês e italiano, sem tradução para português) e decidiu investir em restauração.

Já Chris Denney é ex-chef do Relais & Châteaux Hambleton Hall, em Rutland. Passou alguns anos nos bastidores de endereços estrelados ingleses, esteve à sombra de Nuno Mendes, Eric Chavot e Phil Howard. Faltava-lhe a oportunidade de tocar uma cozinha (na qual também é sócio) com total autonomia.

O resultado do encontro desses dois é o restaurante mais comentado do momento em Londres, o 108 Garage, inaugurado há apenas três meses e com jantares lotados pelos próximos quatro. “Estamos realizando agora o que no meu business plan estava programado para daqui a um ano”, diz Luca.

Sentar ao balcão em frente à pequena cozinha, assistir ao trabalho de Chris e provar dele é animador. O que ele vem fazendo na simpática casa de Nothing Hill é inventivo, sem perder a ternura da cozinha simples, com gosto de comida.

O cardápio muda todos os dias, varia de acordo com muitos fatores, inclusive o que teria sonhado o chef na noite anterior. “Costumo ter sonhos com sabores e especiarias.Aí, quando acordo, transformo aquilo em realidade”, diz Chris. De modo geral, seus sonhos transitam por um receituário inglês, com forte influência mediterrânea e asiática.

Alguns imperdíveis: polvo assado com molho romesco e avelãs; copa-lombo de porco, manteiga de semente de abóbora e lâminas de maçã temperadas com vinagre; e o inacreditável muito bom nabo assado na brasa com manteiga hollandaise e chips de espelta. O couvert é para comer sorrindo. Além do impecável pão da casa feito com fermentação natural, patês macios e aveludados de tâmara (ovas salgadas e curadas com azeite, limão e batata) e de fígado de frango.

Atendimento cortês e preços pagáveis (35 libras o almoço com cinco cursos) completam a receita de restaurante que Luca pretende replicar mundo afora. A dupla já tem um desafio: inaugurar em novembro um 108 Garage em Nova York e, na sequência, em Los Angeles e Miami.

108 Garage
108 Golborne Road
108garage.com

marta barbosa

*Depois de seis anos na redação paulistana, Marta Barbosa Stephens trocou o Brasil pela Inglaterra, de onde envia as boas-novas como correspondente de Prazeres da Mesa

Colunas recentes

Colunas