Prazeres da mesa

Destaques da Expovinis

Por: Prazeres Da Mesa | 6.jun.2014

Os vinhos que fizeram bonito na maior feira da América Latina

Por Jorge Carrara

A Expovinis 2014, decima oitava entrada em palco de uma das maiores feiras de vinhos da América Latina, incluiu mais uma vez na sua programação o já tradicional concurso Top Ten (este na sua oitava edição). O evento está destinado a escolher os melhores exemplares entre os vinhos apresentados pelos produtores e importadores que participam do evento.

As amostras, como sempre, foram divididas em dez categorias: espumantes (nacionais e importados), brancos (idem), rosados, doces e fortificados e a ala mais extensa, a dos tintos, separados em painéis de nacionais, do Novo Mundo e europeus, divididos em dois grupos, Portugal e Espanha, por um lado e o resto do continente, por outro.

Também como é habitual, as provas foram realizadas as cegas (sabendo o tipo, mas não o vinho específico que está sendo provado) por duas equipes de degustadores, integradas por diretores da Associação Brasileira de Sommeliers, sommeliers e jornalistas da área, que registravam suas avaliações em tablets ligados em rede com um aplicativo que compilava os resultados na hora.

As baterias menores eram apuradas por todos, escolhendo o vencedor numa tacada só. As maiores, divididas entre os dois times que selecionavam os três da sua preferência para participar de uma prova final (com o júri reunido) que indicava o ganhador.

A seguir os vencedores do Top Ten 2014 (a lista completa com os melhores colocados pode ser encontrada em expovinis.com.br) junto com outros vinhos que chamaram a minha atenção:

Espumantes Nacionais

As borbulhas gaúchas ocuparam o pódio. Venceu a potência do Gran Legado Brut, um corte de Pinot Noir e Chardonnay, rico em tons tostados e de maçãs assadas, com bom corpo, talhado pelo enólogo da adega de Garibaldi, Christian Bernardi (granlegado.com.br). Agradou também outro Pinot-Chardonnay, o Vívere da Casa Venturini, amplo em boca, com bom corpo e textura, marcado por frutas brancas (casaventurini.com.br).  Ponto para outro exemplar do RS, mas da Campanha, canto meridional do estado: o Cortes de Cima, elaborado com as mesmas cepas que os anteriores, muito frutado e saboroso (camposdecima.com.br).

Espumantes Importados

A França ficou na ponta com um Champagne, o Lanson, um Brut, corte de uvas Pinot Noir, Pinot Meunier e Chardonnay, complexo e sedutor, intenso nos tons frutados e de brioche, com bela acidez e persistência (barrinhas.com.br). Deliciosa também a versão 2009 do Vértice Brut, já um clássico da região do Douro, norte de Portugal, a base de cepas nativas (Gouveio, Malvasia Fina, Rabigato, Códega, Viosinho e Touriga Franca), cremoso e amplo, mesclando toques de frutas brancas, cítricas e de pão fresco num sabor longo. (adegaalentejana.com.br)

Brancos Nacionais

Vitória para Santa Catarina com o Pericó Vigneto 2013, um Sauvignon Blanc intenso nas frutas tropicais temperadas por suaves pinceladas verdes. (vinicolaperico.com.br). Agradou outro Sauvignon Blanc catarinense, o Sanjo 2013 da Cooperativa de São Joaquim, muito frutado, nervoso em boca, com bom final, que como o anterior a altura de (bons) similares importados. (sanjo.com.br).

As vinícolas gaúchas marcaram pontos com dois Chardonnay, ambos do Vale dos Vinhedos e amadurecidos em carvalho francês. Um foi o Pizzato Legno 2013, mesclando fruta e pinceladas firmes de madeira num paladar saboroso (pizzato.net). O outro o Acordes 2012, ícone branco da Cooperativa Vinícola Garibaldi, com bom equilíbrio entre fruta e madeira e sabor bem realçado por uma boa acidez (vinicolagaribaldi.com.br).

Brancos importados

Outro Chardonnay, mas da África do Sul, o Boschendal Appellation Series Elgin 2012, recente lançamento da casa, muito frutado, com toque elegante de madeira e especiaria, levou a taça da categoria (dgb.co.za)  Merecem espaço aqui um representante da terrinha, o Esporão Reserva 2012, pioneiro entre os brancos da região do Alentejo, rico e untuoso, esbanjando fruta, longo e equilibrado (qualimpor.com.br) e outro da França, da região do Loire o Pouilly Fumé Gemme du Feu 2012 do Domaine Landrat-Guyollot, um Sauvignon Blanc marcado por frutas brancas e limão, vivaz e delicado (landrat-guyollot.com).

 Rosados

A França voltou à tona com outro expoente da região do Loire, o Remy Pannier Rosé d´Anjou 2013, um vinho onde predomina a Cabernet Franc, com bom conteúdo de frutas vermelhas e final adocicado, laureado no painel (inovini.com.br).  Igualmente gaulês, se mostrou bem no copo o Château L´Escarelle Mes Bastides 2013, um Grenache-Cinsault da Provence, frutado e nervoso com boa acidez e final agradável (tahaavinhos.com.br).

Tintos nacionais

Foi uma das degustações mais interessantes com bons goles de estilos diversos, de diferentes terroirs do país e com novas revelações. Novamente os gaúchos ocuparam as posições de ponta. Levou o troféu uma jovem vinícola da região da Campanha, a Guatambu, com seu Rastros do Pampa Tannat 2012, concentrado, mas sedoso, pura fruta, um vinho amplo e hedónico (guatambu.com.br).

Fruta, densidade em boca e maciez. O conjunto domina o paladar do Teroldego Reserva 2013 da Don Guerino, de Alto Feliz, ao sudeste de Bento Gonçalves na serra gaúcha, uma vinícola em alta, com vinhos modelados pelo jovem enólogo Bruno Motter (donguerino.com.br)

Outras empresas mais tradicionais da serra gaúcha brilharam igualmente no copo, como a Pizzato com a edição 2008 do seu Merlot DNA 99 (frutas vermelhas, tabaco, baunilha, especiaria) ou a Salton com o Septimum  2009, outro rubro oriundo da Campanha, mescla de sete cepas, talhado pelo time do experiente enólogo Lucindo Copat,  redondo, com taninos finos que sustentam um paladar que une fruta, especiaria e leve torrefação, de boa persistência (salton.com.br).

Tintos do Novo Mundo

Um lançamento da chilena Concha y Toro recebeu a bandeirada: o Casilleiro del Diablo Devil´s Collection 2012 um blend de uvas Cabernet, Carmenere e Syrah da região de Rapel, de corpo médio e bom sabor onde aparecem frutas vermelhas e suaves toques de cedro (VCT Brasil).

Tintos do Velho Mundo I (sem Espanha e Portugal)

Foi a vez da Itália botar as mãos na taça com um vinho da Puglia, sul do país, o Solemnis 2012, rótulo top da vinícola Le Vigne di Sammarco, de Cellino San Marco, ao sul do lindo porto de Brindisi, elaborado com uva Primitivo, uma das estrelas do lugar (levignedisammarco.it).

Menção aqui para um exemplar da região de Bordeaux, sudoeste da França, o Château de Segonzac Héritage 2011, base Cabernet-Merlot, que exibiu bom conteúdo de fruta, leves notas de madeira e especiaria e final agradável (chateau-segonzac.com).

Tintos do Velho Mundo II (Espanha e Portugal)

No confronto ibérico, Portugal levou a melhor. Os louros foram para o Scala Coeli 2009, um belíssimo Touriga Franca com 15 meses de barrica francesa da Fundação Eugenio de Almeida, do Alentejo, um rubro intenso no nariz e na boca (ameixas pretas, fumo, leve fruta passa) com textura fina e boa persistência (adegaalentejana.com.br).

Bem no painel outro alentejano, o Esporão Reserva 2011, um tinto prazeroso, mesclando frutas negras com baunilha, coco e especiaria, longo (qualimpor.com.br).

Entre os exemplares espanhóis sobressaiu outro 2011, o Leukade, topo de gama da Tobelos, uma adega do Briñas, extremo noroeste da Rioja, um Tempranillo com  boa estrutura, combinando fruta, toques de couro, torrefação e suave baunilha (tobelos.com).

Fortificados e doces

O primeiro lugar ficou de novo com os goles lusos, neste caso com o Porto 10 Anos da Andresen uma casa com cerca de 40 hectares de vinha familiar.  Um paladar multidimensional (damasco e frutas secas, leves tons balsâmicos, suave caramelo) e um bom equilíbrio entre fruta, álcool e acidez, deram a vitória para o vinho (brasvini.com.br)

Excelente outro Tawny, o 20 Anos da renomada Quinta de Noval, muito amplo em boca com o álcool bem integrado, paladar muito untuoso e bem balanceado; um Porto para beber devagar, pensando no universo de delicias que a maravilhosa região do Douro brinda ao planeta (adegaalentejana.com.br).

jorge carrara_site

*Escreve também para o site Basilico

Colunas recentes

Colunas