Prazeres da mesa

Estrelas de Brixton

Por: Prazeres Da Mesa | 15.jul.2016

No distrito onde David Bowie nasceu, um passeio glutão pelo mercado de sotaques africanos e caribenhos

Brixton, distrito ao sul de Londres onde David Bowie nasceu, não entraria nos guias turísticos até uma década atrás sem uma recomendação de cuidado. Era conhecida como a região mais violenta da Inglaterra, capital das drogas, cenário de protestos sangrentos envolvendo a população de maioria negra e a polícia truculenta dos anos 1980 e 1990.

A paisagem mudou bastante. Ainda é uma comunidade com predominância de africanos e caribenhos, mas com a pacificação das ruas chegaram os turistas, os hipsters e a gentrificação. E também lugares fofos para comer e visitar, que oferecem a chance de um mergulho nessa parte vibrante da cidade, com história e cultura urbana a cada esquina.

Exemplo disso é o Brixton Village, um endereço fascinante para quem gosta de comer, reformado no final do século passado, mas que guardou o ar de autenticidade de um mercado cosmopolita. As cozinhas da Europa, Índia, Ásia, América do Sul e Caribe estão todas representadas aqui.

O Elephant é um restaurante especializado em cozinha paquistanesa de rua, o que significa samosas, curries e pakoras – snacks de batata, cebola e espinafre fritos servidos com raita. O Santa Fereño, café colombiano de decoração simples, é o lugar para provar os pastéis de yuca, recheados com arroz e carne, e os bruñelos, que na Colômbia são feitos com queijo.

No Brixton Village Grill, a pedida são as costelas ou o peixe do dia (tudo fresquíssimo) grelhados e temperados à moda moçambicana. O molho piri piri da casa é alguma coisa – e tem até sorvete feito com ele. A Kokoo é parada obrigatória para chocólatras. Ali, eles vendem barrinhas com misturas inusitadas de castanhas e frutas, com caprichado acabamento e matéria-prima de variadas origens.

Para ajudar na digestão, bata perna sem pressa. O mercado não é grande, dá para conhecer quase todas as lojinhas. De tecidos africanos a artigos retro de cozinha; de legumes e frutas da estação a molhos e pimentas importados; de farinhas de mandioca e de tapioca ao familiar ugali, espécie de pamonha da Uganda, dá para fazer um passeio pelas culturas que formam a identidade do bairro.

O Brixton Village funciona todos os dias, a partir das 8 da manhã até às 23h30, exceto às segundas, quando fecha às 6 da tarde. Quando cai a noite, o clima muda totalmente. Alguns bares abrem o já apertado espaço para bandas de rock e DJs, no melhor estilo barulho e festa sem fim. Bem a cara de Brixton.

marta barbosa

*Depois de seis anos na redação paulistana, Marta Barbosa Stephens trocou o Brasil pela Inglaterra, de onde envia as boas-novas como correspondente de Prazeres da Mesa

Colunas recentes

Colunas