Prazeres da mesa

Grandes da América do Sul

Por: Prazeres Da Mesa | 5.feb.2018

As agradáveis surpresas com pequenos e grandes produtores do Cata D’Or 2017

Realizou-se em julho passado, em Santiago, capital do Chile, a 22a Edição do Concurso Cata D’Or. Nesse importante evento foram avaliados 642 vinhos e piscos, por 44 jurados, todos profissionais da área, vindos de Chile, Japão, China, Estados Unidos, Argentina, Uruguai, França, Canadá, Nova Zelândia, Espanha e Brasil. Nota-se nitidamente que este concurso vem se posicionando como o mais importante do gênero realizado na América Latina, pelos quesitos de seleção e escolha de jurados de diversas partes do mundo, pela impecável organização logística e profissional e pela diversidade de vinhos degustados, sendo que na edição deste ano abriram-se as portas para vinhos considerados campesinos, aqueles feitos por famílias que praticamente consomem tudo o que produzem e por pequenos produtores, cujo rendimento vai até 5.000 garrafas, mundialmente conhecidos como “produtores de garagem”.

No tocante aos vinhos campesinos, os jurados internacionais presentes puderam conviver por algumas horas com a família de Dom Nicanor, um típico agricultor, quase centenário, que, com os filhos, produz um vinho por meio da mais rude forma de vinicultura, sem fazer uso de equipamentos modernos ou sofisticados. Suas uvas vêm de um parreiral cultivado com a tradicional uva País, trazida pelos jesuítas no período de colonização do Chile. Seu parreiral tem cepas produtivas de 100 anos de idade.

As provas às cegas do concurso realizaram-se em um amplo salão do Hotel Cumbres Vitacura, onde uma equipe de profissionais fazia o serviço. As notas eram marcadas em iPad individual e logo os jurados na mesa sabiam a pontuação final dada a todos os vinhos. Nesta 22a Edição foram atribuídas 16 Medalhas de Grande Ouro, 118 de Ouro e 82 de Prata. Toda a premiação seguiu as normas internacionais estabelecidas pela Organização Internacional do Vinho, a OIV, que tem a sede em Paris.

Para nossa alegria, oito vinhos do Brasil obtiveram Medalha de Ouro e uma de Prata. As vinícolas vencedoras foram: Valduga, Salton, Cave Geisse, Cooperativa Vinícola Garibaldi e Gazzaro.

Foram também premiadas as categorias: Vinho Campesino, Vinho de Pequeno Produtor, Vinho Ícone, Vinha do Ano, Espumante do Cone Sul, Melhor Carménère e Melhor Pisco.

Destaque para três Medalhas de Ouro na linha de vinhos Club des Sommeliers, uma marca exclusiva do grupo Pão de Açúcar, que enviou diversas amostras para o concurso – foram eles: Club des Sommeliers Malbec Reserva 2016, do Chile, Club des Sommeliers Merlot 2016, do Chile, ambos elaborados pela Vinícola Luis Felipe Edwards, e o Espumante Moscatel Vibrant Club des Sommeliers, elaborado pela Vinícola Salton, de Tuiuty, Bento Gonçalves.

Agora, a Organização do Concurso Cata D’Or, fará um giro pelo mundo levando os vinhos vencedores para ser degustados em apresentações à imprensa especializada nos cinco continentes.

A cada ano cresce o prestígio dos vinhos da América Latina que há algum tempo vêm incomodando os produtores do Velho Mundo pela soberba qualidade apresentada. Agora é só aguardarmos o Cata D’Or 2018!

Carlos Cabral

*Estuda vinhos há 43 anos. É consultor e um apaixonado pelo tema

Colunas recentes

Colunas