Prazeres da mesa

Hoje é dia de tapa, bebê!

Por: Prazeres Da Mesa | 21.jul.2017

Tapear é o verbo.

Não em nosso sentido, algo mais próximo de enganar ou passar para trás. Na Espanha, tapear está – como tem sido nas últimas décadas – em alta e quer dizer simplesmente se entregar às delícias dos petiscos; ou apenas tapas.

Estive na Espanha há uns 20 e tantos anos. Em Barcelona morava uma família amiga e foi na casa dela que nos hospedamos; eu e a amiga Suely. Com essa família de espanhóis aprendi sobre o pan com tomate – aperitivo prosaico do dia a dia catalão e sobre o hábito de picar (como dizem por lá) presunto ibérico entre um e outro gole de cava, espumante produzido principalmente na região da Catalunha.

Ano passado, quando meu filho completou 18 anos, perguntei qual destino do mundo lhe interessava para fazermos uma viagem em família. “Espanha, mãe!”, ele escolheu. Não sei de onde veio a inspiração (talvez do gênio do tênis que ele adora, o Rafael Nadal, talvez do reggaeton, esse estilo musical que bomba na Espanha e no mundo e que a galera jovem ama…). Enfim, Espanha eleita, passei aos planos de viagem que levaram alguns meses.

O dia chegou e desembarcamos em Madrid uma semana após o início do verão europeu.

Não demorou pra que nós dois nos jogássemos de cabeça no esporte favorito dos espanhóis: as tapas no fim de tarde. É entrar nos restaurantes e logo alguém pergunta: “é para comer ou tapear?”.

Nós tapeamos muito. Mas quatro mercados nos seduziram e deixo as dicas para quem for visitar a Espanha

Mercado de San Miguel, em Madri, estrutura coberta de ferro do começo do século passado (a última desse tipo na cidade), 2.000 metros quadrados que concentram dezenas de quiosques vendendo ingredientes frescos, temperos e tapas. Tire o relógio e se joga.

Mercat de Sant Josep, muito mais conhecido como La Boqueria, em Barcelona. Esse tem quase 200 anos, nasceu para ser pomar de um convento, um lugar onde os agricultores vendiam seus produtos livres de impostos. Eu e o Leo nos perdemos na Boqueria que ferve entre os locais e os turistas. Dá tristeza ir embora… quem dera houvesse uma Boqueria em algum lugar mais perto do que o velho continente.

Mercado Central no Metropol Parasol, em Sevilha, um mercado mais moderno e organizado, na Plaza de La Encarnación, embaixo da maior estrutura de madeira do mundo. Você fica ali, admirando aquele madeiramento todo (que é impressionante pela extensão) e se encanta ainda mais quando descobre que ali embaixo são vendidas incontáveis qualidades de peixes e frutos do mar.

Mercado de San Antón, em Madrid, um novo mercado gourmet, no bairro da Chueca, o mais LGBT de Madri, que concentra restaurantinhos descolados com uma vista incrível da cidade.

 

Não vai pensando que tapear é baratinho, quase de graça… Dependendo do apetite e da curiosidade, pode custar bem mais do que um prato. Mas, mal comparando, funciona como uma espécie de desfile de moda das comidas. Há tanta coisa boa para provar, tanto com que se surpreender… Uma vez na Espanha, vá em um restaurante ou outro, vá sim! Mas é nos mercados que você vai entender o D.N.A. desse país que está no olho do furacão gastronômico do mundo.

INES Castro_pb

É jornalista, colunista da Rádio BandNews FM e autora dos livros Etiqueta da Beleza, A Moda no Trabalho e O Guia das Curiosas, pela Pandabooks. Em 30 anos de carreira, escreveu para as revistas Claudia, ELLE, Playboy, VIP e Marie Claire.

Colunas recentes

Colunas