Prazeres da mesa

O FOGO E A AMIZADE

Por: Prazeres Da Mesa | 12.jun.2017

Na facilidade de comunicação permite aproximar assadores e amantes de churrasco, e o resultado são grandes experiências

Não vou falar sobre carne no Fogo de Chão ou dos 7 Fogos do Mallmann (chef Francis). Vou falar de algo maior, amizade. Tenho observado que, atraído pelas mídias sociais, um número enorme de pessoas vem se encontrando ao redor do fogo para trocar ideias e experiências, falar de objetivos pessoais e compartilhar interesses comuns.

Felizmente, nos dias de hoje, a comunicação entre as pessoas não tem fronteiras.Encontramos gente de todas as regiões do país se reunindo para ver assadores vindos de toda parte, em eventos de gastronomia que regionalizam a carne e, assim, globalizam o conhecimento.

     As redes sociais têm sido um canal determinante para a divulgação desses eventos  e para congregar as pessoas que admiram e curtem uma boa experiência gastronômica. A força das redes sociais me faz lembrar de um movimento social parecido, quando na década de 1950, início da de 1960, em um tempo em que nem cogitávamos da possibilidade de as pessoas se comunicarem com tanta fluidez e velocidade, empresários corriam pelos Estados Unidos do pós-guerra levando seus astros para que tocassem e cantassem para as multidões.

Esse movimento uniu os artistas, visto que os shows eram verdadeiros festivais, e muitos deles cantavam apenas um hit de sucesso, mas levavam a plateia à loucura. Quem não era da época, assim como eu, mas escutava os comentários dos pais, vai entender do que estou falando. Filmes como The Wonders, Johnny and June, La Bamba, entre outros títulos, confirmam o assunto.

     Aqui busco traçar um paralelo desses encontros com os atuais e tão concorridos eventos de gastronomia, em especial aqueles com foco em uma boa carne. Temos vários para mencionar, como A Churrascada, Beef Tour, Bárbaros etc.

Tenho visitado alguns desses eventos e lá encontrado muito rosto conhecido, muita gente evoluindo rapidamente no preparo dos assados. Estamos exportando talentos, como é o caso do Diego Belda e do Claudio Tossi, que recentemente foram à Irlanda para mostrar sua expertise no Big Grill Festival, em Dublin.

Essa amizade no sentido mais amplo tem como tema central o fogo e as boas coisas que vêm com isso – alimento, abrigo e conforto. Esses laços são para sempre e unem cada vez mais as pessoas e os países. Recentemente, participei do 12o Festival Gastronômico da Pipa, no Rio Grande do Norte. Foi incrível! Além de rostos conhecidos, pude ver muita inovação e o ponto alto foi o final com um incrível show pirotécnico do mineiro globalizado Mário Portella (também colunista de Prazeres da Mesa), que assou à perfeição suínos de muita qualidade. O fogo que assava a carne reuniu muita gente a seu redor, com os pés na areia, falando de amizade!

Ao ver essas situações, vale uma reflexão também no sentido de que estamos fomentando o turismo de eventos de gastronomia de fogo de chão.  Perdi a conta de quantos desses já vi ou participei.

O resultado é muita gente interessante reunida, boa comida e – o mais importante – a procura comum pelo sabor. Com isso, percebi que as pessoas estão se locomovendo não apenas para experimentar os produtos, mas também para viver uma experiência de proximidade com o que parecia inacessível, o sabor e os responsáveis por ele.

Flavio Saldanha

É um profissional da carne que representa a quarta geração de uma família que trabalha o produto com amor e dedicação.

Colunas recentes

Colunas