Prazeres da mesa

Prosa na cozinha

Por: Prazeres Da Mesa | 13.oct.2015

Na contramão do politicamente correto que assola o mundo, uma coleção de expressões gastronômicas do tempo da onça

Se a gastronomia flui para o minimalismo e a vida insiste no politicamente correto, a gente corre para o baú da vovó, onde se escondem as melhores gostosuras, inclusive na prosa. Quem nunca usou expressões como “sopa no mel” ou “comeu o pão que o diabo amassou”? Para não se perder com os significados, a seguir algumas expressões gastronômicas do tempo do onça devidamente desvendadas.

Mistura

Não estamos falando do cultuado evento gastronômico peruano, e sim do protagonista das nossas refeições diárias. Pode ser uma carne, cozido, ou um refogado. Mistura é o que aparece no seu prato, além do arroz com feijão. É brega falar mistura? É. Mas a gente adora.

Bolinho de estudante

Isso é para nós, que somos pudicos. Na Bahia, o povo chama mesmo é de “punheta”. Porque, né, o bolinho é feito apertando com uma das mãos! Os fiscais já estão de olho e corremos o risco de perder o bom humor e a ousadia de nomes como o do bolinho baiano e o daquela biscoiteria paulistana “Cookie é bom”. Vai vendo.

Comer sobras

Criamos expressões em diversas línguas para justificar com classe o reaproveitamento de comida. No francês, dizemos “rest d’onté”. No chinês, “yakissobra”. Nós, japoneses, nos despimos da elegância para entoar o anódino “soborô”. – O que temos para o jantar? – O que soborô. (Gomen, batian – Desculpa, vó)

Cueca virada

Pensei que ficaria com o estômago revirado só de pensar na origem desse nome, mas não passa de um bolinho de chuva em formato de massa retorcida. Polvilhado com açúcar e canela, vai bem com um chá quentinho.

Bolo nega maluca

Maluco está esse mundo do politicamente correto! Outro dia uma padaria colocou na plaquinha “Bolo da afrodescendente maluca”. Senhor! Daqui a pouco vamos ter que rebatizar com o nome de “Bolo da Afro-brasileira bipolar”. É mole?

Almojanta

Fenômeno que geralmente acontece aos domingos, quando você acorda tarde. Almojanta é a fusão do almoço com a janta (outra expressão vintage), assim como o inglês brunch, derivado de breakfast + lunch. Se o inglês pode, por que só em português é brega?

Calcanhar de negro

Apenas um biscoito feito no forno, com massa de polvilho doce. A bolacha fica ressecada e cheia de trincas e rachaduras que lembram um calcanhar. Que pessoa inspirada que inventou esse nome!

Espera marido

Parece nome de curso de jovens carolas, mas é um doce de ovos com calda de açúcar queimado. Mas será que quem provar o doce, arruma mesmo um marido? Na falta de provas científicas, melhor não exagerar na dose. Porque, se o marido demorar a aparecer, corre o risco você virar um baiacu. Encalhado.

Marcelo Katsukijpg

*É blogueiro (comesebebes.com.br) e passa metade do dia pensando em comida. Na outra metade, ele sonha

Colunas recentes

Colunas