Prazeres da mesa

Terroir vulcânico

Conheça a Aglianico, casta comum no sul da Itália, importada da Grécia por volta do século VIII a.C.

Por: | 29.apr.2013

A Aglianico é uma uva de características únicas, cujas raízes penetram firmemente em áreas de solo de origem vulcânica, bem demarcadas do sul da Itália, caracterizadas por um clima quente e seco e situadas em altitudes suficientes para assegurar ventilação adequada e uma ótima exposição. Uma variedade antiquíssima, importada da Grécia por volta do século VIII a.C. O nome deriva da mutação do termo helênico, adotado pelos espanhóis durante a dominação aragonesa do Reino de Nápoles, entre os séculos XV e XVI. A difusão se limita a algumas regiões do sul da Itália, em particular à província de Avellino e de Benevento, em Campania, e de Potenza e Matera, em Basilicata, mas também áreas específicas da Puglia e do Molise.
Entre os tintos de Campania feitos com Aglianico merece menção especial o DOC Falerno del Massico Rosso, dos arredores do Monte Massicona, província de Caserta. A encantadora opulência desse vinho evoca as glórias da Antiguidade, por causa da rica consistência gustativa e da intensidade aromática. Atualmente, o vinho símbolo da região Campania é, porém, o Taurasi DOCG, originário da antiga cidade de Taurasi, na província de Avellino, importante centro vitivinicultor desde os tempos mais remotos. O DOCG Taurasi é um fascinante e austero vinho, profundamente ligado à tradição e ao território. Um vinho capaz de alcançar altíssimos níveis qualitativos e competir com o melhor tinto da Itália e do mundo. Sua elegância, mesmo na versão reserva, fornece uma válida explicação de como o Aglianico ganhou o apelido de Barolo do Sul. Outro interessante vinho da Campania, que recentemente obteve o reconhecimento DOCG, é o Aglianico del Taburno, seja tinto, base, reserva, seja rosado.
Na Basilicata, em áreas localizadas no sopé do Monte Vulture, os solos de origem vulcânica conferem às uvas uma forte impressão mineral. De seus cachos vermelhos e suculentos se produz o agora famoso Aglianico del Vulture DOC, um tinto poderoso, de extraordinária persistência, envolvente e suculento ao paladar.
Os vinhos realizados com Aglianico podem às vezes ser pouco arredondados, devido a uma importante estrutura de taninos difícil de conter. Com o afinamento em madeira, no entanto, adquirem considerável finesse, profundidade gustativa e complexidade aromática.
O Aglianico pode apresentar em sua juventude um caráter áspero e afiado, tornando, portanto, o consumo difícil para muitos. Para apreciar o caráter e a tipicidade, é preciso uma abordagem metódica e uma discreta experiência de degustação. Mas as caraterísticas de força e elegância, típicos de um Aglianico perfeitamente afinado, não podem somente surpreender e emocionar, tanto que, se me permitam dizer com absoluta certeza, esses vinhos merecem um lugar de destaque entre os grandes rótulos italianos e internacionais.

• “Radici Taurasi” DOCG 2008, Mastroberardino, 96 pontos
Tem bela cor rubi, luminoso e não particularmente espesso. Rico e consistente, oferece ao olfato aromas elegantes e complexos. Emergem em primeira análise aromas de cereja selvagem e amora-preta, que rapidamente se desvanecem em nuances terrosas, com lembranças de noz-moscada, fungo seco e azeitona preta. Amplo e envolvente ao paladar, com taninos encorpados e bem integrados e de grande equilíbrio acido-sápido. Combina com costeletas de cordeiro em crosta de especiarias e cabrito assado com azeitonas.
• “Black Magic” Falerno del Massico Rosso DOP 2011, Ager Falernus, 92 pontos
Rubi intenso e luminoso de grande fascinação. O enxoval olfativo é amplo e expressivo, com aromas de cereja- preta, murta, ruibarbo, ao qual são adicionadas notas de sementes de erva-doce, china e manjerona. Na boca, se oferece particularmente quente e frutado, apesar da impetuosidade do componente ácido-tânico. O resultado é um vinho de grande caráter e de longa persistência gustativa. Combina com maltagliati com ragù de pato e sela de lebre com tomilho.

• “Il Sigillo” Aglianico del Vulture DOC 2008, Cantine del Notaio, 89 pontos
Vestido rubi compacto e impenetrável. Ao olfato é intenso, profundo, com notas de pequenas frutas vermelhas, ameixa fresca e violeta. Afloram em segunda análise lembranças olfativas de folha de louro, cravo, cacau amargo e tons etéreos. Austero e decidido ao paladar, em que a componente tânica se percebe com força, mantém um caráter frutado e suculento. Combina com lombo de javali com trufa e queijos curados.

* Luca Gardini foi eleito o melhor sommelier do mundo em 2010 pela Worldwide Sommelier Association.

IMG_0554pb_site

*Foi eleito o melhor sommelier do mundo em 2010 pela Worldwide Sommelier Association

Colunas recentes

Colunas