Prazeres da mesa

Um pedaço do México no Caribe

É Riviera Maia, com seu mar azul cegante, sítios arqueológicos cenográficos e a cozinha instigante da Península de Yucatán

Por: Prazeres Da Mesa | 17.nov.2008

POR JOSIMAR MELO

Em termos de gastronomia o México é muito, mas muito mais variado do que costumamos perceber no Brasil, onde nos poucos lugares em que essa culinária aparece é sob a forma abastardada da cozinha tex-mex: meio texana, meio mexicana, popular nos Estados Unidos, mas longe de representar a rica variedade gastronômica do país. Vivi recentemente uma face desse grande mosaico, numa passagem pela Península de Yucatán, que, no sudeste do país, separa o Golfo do México do Mar do Caribe.

Meu destino foi uma região bem ao sul de Cancún (que fica ao norte), conhecida como Riviera Maia. Eu a conheci de camarote, é verdade – hospedado no recentemente inaugurado resort da rede Mandarin Oriental, cercado de luxo e conforto, instalado numa arquitetura de primeira (moderna mas bem integrada ao ambiente) e tendo o Mar do Caribe a meus pés. Nada mal, depois do calvário para tirar o visto que o consulado do México, subserviente ao governo americano, nos impõe; e de sobreviver à gananciosa American Airlines.

O hotel faz parte de uma ocupação turística que está a pleno vapor na região. São vários resorts de luxo instalando-se na área, num trecho de mais de 100 quilômetros. Diferentemente dos arranha-céus de Cancún, aqui há empreendimentos – como é o caso do Mandarin Oriental – que repousam discretamente na paisagem. E além de ter o azul quase cegante do mar caribenho pela frente, o turista pode também visitar belas ruínas e sítios arqueológicos da civilização maia (caso de Chichén Itzá, uma das novas sete maravilhas do mundo, no interior, em Tulum, num lindo promontório à beira-mar, e de Cobá, com suas pirâmides e quadras de pelota, onde se jogava com bolas e com a cabeça dos inimigos).

Pode o visitante, ainda, entregar-se a aventuras como os mergulhos (com snorkel ou tanque) nos cenotes (os impressionantes poços que levam à superfície dos rios subterrâneos por onde corre a água doce da região), ou fazer compras na cidadezinha de Playa del Carmen, uma espécie de shopping center a céu aberto, na verdade sem grandes atrações além de lojinhas turísticas e grifes internacionais (mas se pode comer num dos restaurantes locais). Também não fica longe a Ilha de Cozumel, atração especialmente interessante para quem aprecia mergulho no mar.

A gastronomia na Península de Yucatán tem os traços nacionais mexicanos e, ao mesmo tempo, suas especificidades. Um prato típico da região é o pibil: forma de cozimento de carnes embrulhadas em folha de bananeira e levadas ao forno (antigamente eram carnes cozidas em covas na terra). São normalmente de frango (pollo pibil) ou, ainda melhor, mais suculenta e tenra, de carne de porco (cochinita pibil). Nos dois casos, as carnes são previamente marinadas com frutas cítricas e temperos.

No Mandarin Oriental, é possível provar as duas em um de seus restaurantes, dedicado à cozinha mexicana com um toque contemporâneo – o Aguamarina. Ali, como é hábito em todo o país, as refeições começam com tequila pura acompanhada de sangrita (suco de tomate bem temperado e apimentado), ou com coquetéis preparados com a bebida, como o margarita; e guacamole (pasta de abacate com temperos e pimenta servida sobre triângulos de tortilla frita, os totopos).

Outro restaurante do hotel, o mais sofisticado, é o Ambar – só funciona à noite, com cozinha mexicana moderna, com fusões asiáticas (exemplos: tartar de atum com abacate, molho ponzu e alho crocante; perna de cordeiro lentamente cozida com harumake de vegetais e timbale de quinoa). Para acompanhar, uma boa carta de vinhos, com vários exemplares mexicanos, alguns bem interessantes (especialmente da Baixa Califórnia). Outros restaurantes do hotel incluem o ceviche cha cha cha, à beira-mar (principalmente peixes, em ceviche ou sushi); e dentro do spa, um restaurante vegetariano – todos os restaurantes são supervisionados pelo chef Nacho Granda.
Em Playa del Carmen há dezenas de restaurantes, muitos deles com mesinhas na calçada da rua principal, a Quinta Avenida, permitida somente para pedestres. Há desde locais de comida típica até redes de fast-food americanas. Um local agradável, com um pátio interno ao ar livre – recomendado apenas se não estiver calor demais (caso contrário, é melhor o salão com ar-condicionado) –, é o Yaxche, que fica na Calle 8, entre a Quinta e a Décima Avenidas (telefone 00xx52 984 873 2502). A casa anuncia servir cozinha maia; na verdade é a cozinha de Yucatán combinada com o resto do México e do mundo, mas interessante por alguns pratos, como as tortillas recheadas com feijão e cobertas com peru desfiado, abacate e cebola; ou a picante versão com camarões marinados em molho de chile chipotle e axiote; ou, mais picante ainda, o pibxcatic (chile xcatic assado e recheado com cochinita pibil).
As tortillas de milho, produzidas há séculos com grãos que cozinham em cal e limão (formando a massa chamada nixtamal, que tira toxinas do grão e libera a absorção de suas vitaminas pelo corpo), são a base da alimentação. Servidas em restaurantes ou consumidas em casa, normalmente são compradas prontas e recheadas com diferentes ingredientes. Se podem ser comidas em qualquer lugar, as minhas preferidas o foram num precário boteco à beira da estrada 307, que corre pela península paralela ao mar. Ali, perto da marina de Puerto Aventura, uma tenda anunciava a Taquería El Arbol 1. Naquele ambiente simples, as tortillas eram prensadas uma a uma, na nossa frente, depois aquecidas e entregues para que, das diversas panelas, escolhessemos os recheios.
Já bem servido de deliciosas porções de cochinitas pibil ao longo da viagem, atirei-me nos itens que achei que seriam mais difíceis de achar naquele último dia de estada. Foram três tortillas: com moelas de frango; com chicharrón (pele de porco que, nesse caso, era cozida, macia, e não crocante); e com pé de porco empanado. Bastante pimenta (e infelizmente nenhuma cerveja, pois ali não a vendem). Entre o México luxuoso do Mandarin Oriental, e aquele México profundo do pé de porco à beira da estrada eu… realmente fico com os dois.

Mandarin Oriental – km 298,8 da Carretera 307, Playa del Carmen, Estado de Quintana Roo, México.
www.mandarinoriental.com/rivieramaya

(*) O jornalista Josimar Melo viajou a convite do Mandarin Oriental e da American Airlines.

(*)Josimar Melo é crítico de gastronomia do jornal Folha de S. Paulo e autor do guia de restaurantes que leva seu nome.

imagem_2210

Colunas recentes

Colunas