Prazeres da mesa

Reportagem

DOIS EM UM

Muito comum em fins de semana no Reino Unido e nos Estados Unidos, o brunch reúne o café da manhã e o almoço em apenas uma refeição e é cada vez mais popular no Brasil

Por: Prazeres Da Mesa | 28.nov.2017

Por Stephanie Vapsys

Fotos Ricardo D’Angelo 

Elisa Hill, chef do Camden House, morou na Inglaterra por quase 12 anos e sabe como preparar um autêntico brunch

Elisa Hill, chef do Camden House, morou na Inglaterra por quase 12 anos e sabe como preparar um autêntico brunch

Sabe aquele domingo em que tiramos o dia para não fazer absolutamente nada? Quando desligamos o celular antes de deitar e dormimos até estar completamente descansados? Então, quando abrimos os olhos com cuidado, sem saber ao certo que horas são, é que nos damos conta de que estamos morrendo de fome. Não é aquela fome típica de almoço, mas também já está tarde demais para ser a do café da manhã. Foi para momentos como esse que inventaram o brunch. Junção das palavras inglesas breakfast e lunch, ele reúne o café da manhã e o almoço. Refeição bem comum em fins de semana, principalmente no Reino Unido e nos Estados Unidos, vem conquistando os brasileiros. A palavra foi inventada por Guy Beringer, um jornalista que, em 1895, escreveu um artigo chamado Brunch: a Plea. Nele, o repórter propunha a criação de uma nova refeição aos domingos para aqueles que costumam sair aos sábados até a madrugada. O artigo fez tanto sucesso que, no ano seguinte, a palavra passou a constar do Dicionário Oxford.

Nos Estados Unidos, o brunch ganhou força no início do século XX, entre 1920 e 1930, quando celebridades começaram a se reunir para tomar o café da manhã no início da tarde. Com isso, restaurantes, hotéis, cafés e padarias decidiram criar um cardápio próprio para a refeição.

Hoje, um brunch clássico mescla pratos populares daqueles países, como ovos benedict, ovos royale, panquecas, muffins, bolos e torradas. Para beber, chás, sucos, drinques, espumante ou champanhe são as melhores pedidas. Os ingleses têm o costume de beber bloody mary durante a refeição.

No Brasil, a prática do brunch começou a ganhar força nos últimos anos, quando restaurantes com influência inglesa e estadunidense começaram a incluir a refeição nos cardápios, principalmente nos grandes hotéis. Mas, casas  menores, como o gastropub Cadmen House, comandado pela chef Elisa Hill, também aderiram ao estilo. “Houve um estranhamento inicial quando começamos a servir o brunch. As pessoas não assimilavam o fato de poder tomar o café da manhã no pub. Mas, na Inglaterra, é muito comum tomar brunch no pub”, diz a chef, que morou na Inglaterra por mais de uma década.

Full english breakfest

Full English breakfest

À moda inglesa 

Formada em hotelaria, Elisa Hill começou a carreira trabalhando com Erick Jacquin no saudoso Café Antiqüe, um dos melhores restaurantes franceses que São Paulo já abrigou. Ele a mandou para um estágio na França, onde ficou por um ano e meio até decidir mudar-se para a Inglaterra para treinar o idioma. A ideia inicial era ficar apenas seis meses, mas ela acabou ficando por quase 12 anos. Sempre trabalhando como chef, quando decidiu voltar para o Brasil, em 2013, Elisa sentiu que era a hora de abrir um negócio próprio, e, então, em 2015 inaugurou o Camden House. “Cheguei aqui e não sabia o que queria fazer. De repente me dei conta de que tinha de ser um gastropub porque os adoro, sempre frequentei e gosto muito do ambiente”, afirma.

Sua ideia sempre foi seguir à risca a linha de gastropub inglês. “A autenticidade não está tanto na decoração, mas em um cardápio que é bem genuíno. Fazemos pratos ingleses e até quizz nights que são noites de jogos de perguntas e respostas. É uma prática bem popular nos pubs ingleses”, diz. E tentando ser o mais inglês possível, não poderia faltar ali um cardápio de brunch. Elisa conta que, no início, as pessoas ficavam confusas com o conceito. “Muita gente estranhava o fato de não servirmos em bufê. Aqui as pessoas costumam tomar o café da manhã em bufês. No começo, tivemos um pouco de resistência em relação ao brunch à la carte. Até hoje ligam perguntando, mas agora as pessoas estão entendendo mais”, afirma.

Uma das gratas surpresas para Elisa foi a boa aceitação do full English breakfast, nome dado ao tradicional café da manhã inglês, que consiste em linguiça suína caseira, feijão doce, cogumelos, tomate roti, ovos fritos, bacon artesanal e pão da casa. “Esse prato é o carro-chefe do brunch inglês. Muitos operários que fazem um trabalho mais braçal o pedem para aguentar o serviço do dia inteiro”, diz. Aqui no Brasil, não temos o costume de comer alimentos pesados logo cedo, mas quando servido no brunch, uma refeição que mescla o café da manhã com o almoço, a resistência é menor. Hoje, o full English breakfast é um dos pratos mais populares do Camden House, junto com os ovos benedicts, outro clássico que leva ovo poché, bacon e molho holandaise.

Quem quiser um brunch com mais cara de café da manhã pode optar por french toast, a rabanada dos europeus, ou por panquecas, as queridinhas dos americanos. Dá também para fazer um brunch abrasileirado com frutas, pães, frios e geleias. No Camden House, a opção que mais se assemelha aos costumes nacionais é o café continental que leva pães da casa, ovos mexidos, manteiga, compota, mel, iogurte e granola. O café continental ou continental breakfast é o termo usado para o café da manhã simples servido em hotéis dos Estados Unidos. Ele é o oposto do full English breakfast. Normalmente, consta apenas de café, pães e alguns acompanhamentos. Como no Camden House ele é servido como opção de brunch, o prato ganhou uma porção de ovos mexidos para dar mais sustança.

Elisa Hill compartilhou três receitas de seu brunch com Prazeres da Mesa: ovos benedict, panquecas e french toast. Assim, no próximo domingo preguiçoso, não será mais preciso escolher entre o café da manhã ou o almoço. Mas, se mesmo assim, a preguiça gostosa vencer, escolha no quadro um dos endereços que fazem os melhores brunchs do Rio de Janeiro e de São Paulo.

Endereços certeiros

O roteiro dos melhores brunches de São Paulo e Rio de Janeiro

São Paulo

Emiliano

A casa abre as portas para o brunch a partir do meio-dia aos sábados, domingos e feriados. Ao chegar, os comensais são recebidos com o couvert e uma taça de espumante. Depois, é possível saborear o que quiser do cardápio com mais de 20 opções. Entre os mais pedidos estão os ovos benedicts. Para quem prefere uma refeição mais reforçada há risoto, ravióli ou carnes.

Rua Oscar Freire, 384, Jardim Paulista, tel. (11) 3069-4369, emiliano.com.br

Grand Hyatt São Paulo

Todos os domingos, das 13 às 16 h, o C-Cultura Caseira, um dos restaurantes do hotel, realiza o Family Barbecue Brunch, que é oferecido pelo hotel e é praticamente um churrasco à beira da piscina. Diferentemente dos tradicionais, esse é servido em bufê. Há opções de saladas, queijos e frios, pratos quentes e sobremesas. Para beber, os sucos dão lugar ao chope. A refeição ainda conta com música ao vivo e recreação infantil.

Av. das Nações Unidas, 13301, Itaim Bibi, tel. (11) 2838-3203, São Paulo, SP; saopaulo.grand.hyatt.com

Hilton Morumbi 

Realizado no restaurante Armazém Morumbi, o brunch acontece aos sábados e domingos das 12h30 às 15 h. Conta com estações de saladas, sopas, massas, carnes, tapiocas, omeletes, sobremesas, além dos quitutes tradicionais de café da manhã, como pães, frios e geleias. Para beber, café, leite, chá e suco de laranja.

Avenida das Nações Unidas, 12901, Brooklin Novo, tel. (11)

2845-0000/2845-0001, São Paulo, SP; hiltonmorumbi.com.br

Julice Boulangère

É o lugar perfeito para quem quer aproveitar aquela folga durante a semana para fazer um brunch. Ali, a refeição pode ser feita de segunda a sábado, das 8h30 às 16 h e o brunch é mais leve, combinando com o gosto dos brasileiros. Servido para duas pessoas, ele leva cesta de pães artesanais, geleias caseiras, quiches, frios, salada de frutas, dois minicrepes, ovos fritos ou mexidos, mimosas, iogurte com granola, uma sobremesa e duas bebidas.

Rua Deputado Lacerda Franco, 536, Pinheiros, tel. (11)

3097-9162, São Paulo, SP; julice.com.br

Pomodori

Acontece aos sábados, das 12 às 16 h. Os clientes podem escolher entre experimentar os pratos do bufê e mais os pratos à la carte ou apenas a primeira opção. Nos dois casos, acompanham taça de espumante, água, suco e café. O bufê conta tanto com receitas mais leves – como pães variados, embutidos, queijos, geleias e iogurte – quanto com pratos mais reforçados, como risoto, sopa e frango empanado. O menu à la carte inclui ovos benedicts, nhoque de batata ou tartar de carne.

Rua Dr. Renato Paes de Barros, 534, Itaim Bibi, tel. (11)

3168-3123, São Paulo, SP; pomodori.com.br

PJ Clarke’s

O restaurante com estilo nova-iorquino é uma boa opção para quem busca um autêntico brunch americano. Servido aos sábados, domingos e feriados, das 10 às 15 h, a refeição conta com panquecas, waffles, ovos mexidos, bacon, salsicha e tudo aquilo que costuma fazer parte do café da manhã dos americanos.

Rua Dr. Mario Ferraz, 568, Itaim Bibi, tel. (11) 3078-2965,

São Paulo, SP; pjclarkes.com.br

Rio de Janeiro

*Por Ursula Alonso Manso

Belmond Copacabana Palace

Peça uma indicação de brunch no Rio de Janeiro e nove em cada dez pessoas vão sugerir o Belmond Copacabana Palace. Sinônimo de tradição e exclusividade, a refeição acontece no restaurante Pérgula,
à beira da piscina mais famosa da cidade, sempre aos domingos, das 13 às 16 h. É sentar ali e, entre uma taça e outra do espumante do Copa, servido à vontade nas versões brut e rosé, imaginar as braçadas de Ava Gardner, Brigitte Bardot e Lady Di. Quando a fome apertar, há estações de frios (o presunto ibérico pata negra incluído), queijos, frutos do mar (com ostras frescas, camarões, mexilhões, ikura e caviar), saladas, pratos quentes e sobremesas. Risotos são preparados na hora, assim como picanha e cavaquinha.

Av. Atlântica, 1702, Copacabana, tel. (21) 2548-7070,
Rio de Janeiro, RJ; copacabanapalace.com.br

Caesar Park Rio de Janeiro

Com o fechamento do Sofitel Copacabana para obras, o Grupo Accor transferiu o Sea Food Brunch para o restaurante Galani, no Caesar Park, em Ipanema. Na mudança, ficou para trás o charme da refeição à beira da piscina do hotel de Copacabana, mas a qualidade do bufê manteve-se igual. A refeição é servida aos domingos, das 13 às 16 h e, como o nome diz, privilegia os frutos do mar fresquíssimos. Da cozinha, sob o comando do chef francês Jérôme Dardillac, saem pratos quentes como o filé de vermelho grelhado com vinagrete de manga e o camarão no panko com molho teriyaki. O espumante nacional é servido à vontade.

Av. Vieira Souto, 460, Ipanema, tel. (21) 2525-2560,

Rio de Janeiro, RJ; accorhotels.com

Sheraton Grand Rio Hotel & Resort

A vista para o mar divide as atenções com o brunch do restaurante Bene, todos os domingos, das 12h30 às 16 h. Há estações de waffles, panquecas, frios, queijos nacionais e importados, além de saladas, massas cozidas na hora, frutos do mar e grelhados. Na opção com bebida alcoólica, vinho, espumante e spritz são servidos à vontade e os pais que fizerem reserva antecipada contam, ainda, com recreação infantil para as crianças. Av. Niemeyer, 121, Leblon, tel. (21) 2529-1291, Rio de Janeiro, RJ; sheraton-rio.com.br

Windsor Barra

Cascata de camarão VG, sushis e sashimis preparados na hora, ao gosto do cliente, são os diferenciais do brunch do restaurante do Windsor Barra, que acontece das 12 às 16 h, sempre aos domingos. Entre os pratos quentes, as opções vão do bacalhau ao alho e óleo ao escalopinho de avestruz no molho de pimenta- -rosa. O serviço inclui uma taça de espumante.

Av. Sernambetiba, 2630, Barra da Tijuca, tel. (21) 2195-5000, Rio de Janeiro, RJ; windsorhoteis.com

Matérias Relacionadas