Prazeres da mesa

Reportagem

Os 30 anos de Gambero Rosso

O principal guia de vinhos italianos chega aos 30 anos e, para celebrar com o mercado brasileiro, promoveu uma grande degustação com mais de 60 vinícolas daquele país

Por: Prazeres Da Mesa | 5.apr.2016

Por Marcel Miwa

O principal guia de vinhos italianos chega aos 30 anos e, para celebrar com o mercado brasileiro, promoveu uma grande degustação com mais de 60 vinícolas daquele país, sendo algumas ainda em busca de importadores no Brasil. Confira cinco destaques deste grande evento.

Nicosia Etna Rosso 2012, Sicília
Os tintos desta região da Sicília lembram a Pinot Noir. A dupla de castas Nerello Mascalese (80%) e Nerello Cappucio (20%) resultam em um tinto claro e elegante, com aromas de frutas vermelhas ácidas, toque terroso e sutil tosta. Os taninos têm bom vigor e junto com a acidez formam um conjunto com boa profundidade e bastante fácil de beber. Importado pela ItáliaMais (R$ 133).

Poggio al Tesoro Sondraia 2012, Toscana
O projeto na costa toscana de Allegrini (Vêneto) resulta neste didático supertoscano (Cabernet Sauvignon, Merlot e Cabernet Franc). A mescla de frutas vermelhas maduras, com ervas, mentol e sutil tosta e baunilha das barricas exemplificam o perfil dos bons tintos de Bolgheri. Há força e elegância em um conjunto que não precisa de muito tempo em garrafa para beber com prazer. Importado pela Inovini (R$ 375).

Livon BraideAlte 2013, Friuli
Este branco friulano é resultado da mescla de Chardonnay, Sauvignon Blanc, Picolit e Moscato Giallo e está na linha grand cru da vinícola. A fermentação em barricas colabora mais com a estrutura do vinho do que com os aromas. No nariz aparecem amêndoa, ervas, maçã verde e pera. Na boca, a ótima acidez dá fluidez ao bem estruturado corpo e promete longa vida a este branco. Importado pela Mercovino (R$ 283)

Tenute Rubino Malvasia Bianca 2015, Puglia
Aqui há uma bela e atrativa contradição: o nariz repleto de notas florais (flor de laranjeira) e de frutas doces (laranja e casca de limão em calda) é balanceado por uma boca fresca e salina. Um vinho leve, aromático e fácil de beber. Importado pela Zahil (rótulo não disponível)

Accademia de Racemi Primitivo I Monili 2014, Puglia
A doce e por vezes enjoativa Primitivo aqui aparece bem domada. As frutas maduras aparecem em primeiro plano com complemento de ervas e algo de especiarias. A mediana concentração e boa acidez mostra um bom horizonte na companhia de frios e embutidos. Importado pela Decanter (R$ 96,80)

Matérias Relacionadas