Prazeres da mesa

Reportagem, Viagens

REINVENTANDO O LUXO!

Basta algumas horas no complexo de hotéis Mayakoba, no México, para se sentir exclusivo e perceber que será uma experiência inesquecível

Por: Prazeres Da Mesa | 5.apr.2017

Por Carolina Esquilante, do México

Fotos Carolina Esquilante e Divulgação 

Esqueça tudo o que você achou que sabia sobre hospedagens cinco estrelas e deixe-se surpreender pelo complexo de hotéis Mayakoba, localizado a pouco mais de 45 quilômetros do aeroporto de Cancún, no México. São três hotéis, o Fairmont, o Banyan Tree e o Rosewood, com características diferentes, mas todos com atendimento personalizado e exclusividade, além de pontos fortes na gastronomia. Uma vez dentro do Mayakoba, sua única preocupação é relaxar e usufruir da paisagem, dos quartos incríveis, das praias, das piscinas, dos campos de golfe e da culinária local, cheia de cultura, história e sabores surpreendentes. São mais de dez restaurantes, distribuídos pelos três hotéis, e você pode almoçar ou jantar em qualquer um deles. Para se locomover pelo complexo, há uma frota de carros – só no Rosewood são 15 Cadillac, que custam cerca de 100.000 dólares cada um –, um barquinho supercharmoso, via manguezal, cujo canal liga os resorts e carrinhos de golfe. Durante nossa estada, participamos da primeira edição do festival Mayakoba Masters of Food, Wine and Golf, que reuniu um timaço da gastronomia e do golfe mundial para três dias de competições e experiências gastronômicas. O evento foi idealizado pelo globetrotter Carl Emberson, diretor de operações e marketing do grupo Mayakoba, que no passado foi responsável pelos melhores momentos dos hotéis Hyatt, em São Paulo, e o de Mendoza, na Argentina. Emberson sabe como poucos a importância das experiências gastronômicas para os hóspedes.

01/12

 Os hotéis

O complexo de hotéis Mayakoba é totalmente independente. Cada unidade tem os próprios restaurantes, piscinas e serviços de praia. Ficamos hospedados no Fairmont e no Rosewood, experiências totalmente diferentes, mas que prezam por luxo, sofisticação e atendimento exclusivo. O rio que conecta os hotéis é de uma beleza ímpar e é extremamente bem cuidado. São mais de 300 espécies vivendo ali, sob a supervisão de biólogos e de órgãos responsáveis pelo bem-estar dos animais. Durante o passeio de barco, é possível ver diversos peixes, tartarugas e até crocodilos, que são levados para outro lugar quando ficam grandes. Os hóspedes podem ajudar na preservação do rio, é só se informar na recepção sobre os horários das atividades. As crianças são as que mais aproveitam esse contato mais próximo com a natureza.

Para os amantes de esportes, o resort oferece um leque de opções. Na praia, é possível praticar windsurfe, mergulho e stand up paddle. No mangue, a pedida é o passeio guiado, de 1h30, no caiaque com pedal, que passa por diversas áreas do hotel, com paisagens incríveis. A atividade terrestre fica por conta das bikes,  que são uma ótima pedida para se locomover no Mayakoba.

Já o golfe é uma atração à parte e uma das prioridades dos hotéis. O clube El Camaleon conta com toda a estrutura para receber campeonatos e jogadores do mundo todo. Mas, se você não é um expert no assunto, não se preocupe, os iniciantes também têm vez. Fizemos uma aula divertidíssima com o diretor de instrução da escola, Jim McLean – ele foi o diretor de golfe em quatro dos principais clubes privados na América, tem dez escolas de golfe pelo mundo, como jogador conquistou mais de 50 títulos júnior e amador, e é professor de atletas renomados das ligas de golfe PGA e LPGA, localizada no clube, como David López Monar. Você aprende a postura correta, o movimento que o corpo deve fazer na hora da tacada, como posicionar a bola e o taco. Claro que é inevitável arrancar muita grama. É uma experiência diferente e imperdível.

O Banyan Tree oferece aulas de culinária tailandesa, ministradas pelo chef Wayu “Light” Wattanakamin, na cozinha do restaurante Saffron. Uma oportunidade para conhecer um pouco mais sobre a gastronomia e os ingredientes tailandeses e sua cultura. Aprendemos a preparar uma sopa picante com camarões e um pad thai de comer de joelhos.

01/12

 Fairmont

O Fairmont foi o primeiro hotel do complexo a ser construí-do, há 11 anos. O ambiente é mais familiar, para curtir com as crianças e em grupos maiores. São quatro opções de restaurante, com cardápios assinados pelo renomado chef Richard Sandoval, que já abriu mais de 40 casas ao redor do mundo, inclusive em Tóquio e em Nova York, tem livros lançados e uma linha de produtos voltados para a gastronomia. No dia a dia, os restaurantes ficam sob a supervisão do chef Eric de Maeyer.

Logo à entrada do hotel está o lobby lounge, que passou por reestruturação em 2016 e oferece vasta carta de drinques e aperitivos, para os hóspedes que buscam algo mais informal e descontraído. O El Puerto oferece um menu latino-asiático, com muitos frutos do mar frescos e ingredientes regionais.

No restaurante Las Brisas, o cardápio é mais refrescante, descolado, e atende aos pedidos da praia e da piscina principal, além de ter uma vista deslumbrante para o mar da Riviera Maya. Ali, os carros-chefes são ingredientes frescos e muitos frutos do mar. Destaque para o ceviche de polvo, vieiras, camarão, com pepino e tomate, muito bem temperado e picante, e para as quesadillas de camarão, acompanhadas de guacamole, pico de gallo e salsa de habanero. O ponto dos frutos do mar é perfeito e é quase impossível parar de comer as quesadilhas. Do bar também saem drinques deliciosos e locais. Para Prazeres da Mesa, o gerente de bares Magdaleno Rodriguez criou duas bebidas especiais. Uma à base de mescal, gengibre, um toque de bitter de chocolate e uma mistura secreta, com pimenta. O copo é decorado com sal e pimenta; o drinque, servido bem gelado. A outra, um pouco mais suave, é com suco de limão, tequila repousada, cubinhos de pepino, bitter de chocolate e muito gelo.

La Laguna é o maior restaurante do hotel, onde o café da manhã é servido. A vista para o rio é de tirar o fôlego – o lugar perfeito para desfrutar boas refeições com a família. No café, é possível pedir opções locais, como tortillas e quesadillas, além de uma enorme variedade de frutas, pães e sucos ou bebidas alcoólicas.

 Rosewood

O Rosewood é mais voltado para casais que queiram curtir a dois, mas também aproveitar o agito. Mais luxuoso, é possível chegar aos quartos de barco e entrar pela piscina privativa, com vista para o mangue. Ideal para quem preza por exclusividade e busca privacidade. O quarto em que ficamos hospedados conta ainda com jacuzzi, sala de estar e terraço, localizado no andar de cima e perfeito para ver o pôr do sol, degustando um bom vinho. Na praia ou na piscina, os hóspedes são recebidos com um baldinho com água gelada e spray de água termal para se refrescar.

O responsável pelos restaurantes do Rosewood é o chef Juan Pablo, que cultiva uma horta incrível no local, ao ar livre, com muitas ervas diferentes, e procura fazer uma cozinha de raiz, respeitando as tradições maias. Nesse mesmo espaço, que se chama Ceiba Garden, o chef realiza jantares mais intimistas, apenas com reserva, cerca de duas vezes por semana. É um lugar tão agradável que passa a sensação de estar no jardim de sua casa, cercado de verde e de frescor. As mesas de madeira são compridas, para que várias pessoas compartilhem o momento.

Juan diz ser da Cidade do México e que, quando chegou ao Rosewood, há dois anos, deparou com uma cultura muito diferente. “Eu me senti em outro país. Os hábitos, a tradição, a língua, nada é igual. A cozinha maia é muito típica nessa região. É toda ela com base em vegetais, como tomate, feijão, abóbora, milho e pimenta. Esses ingredientes são encontrados em todo o México, mas aqui tem alguns cítricos, que só achamos nessa região”, afirma o chef.

O Ceiba é onde Juan se sente mais à vontade para apresentar esse tipo de culinária e criar seguindo as tradições e com ingredientes maias. Do porco, por exemplo, utilizam ombros, pernas e ribs. Ele é marinado e cozido por muito tempo debaixo da terra. “Nosso porco é um misto de ibérico com asiático. Não é criado com antibióticos e tem um sabor incrível. Ele só é encontrado nessa região do México. Os maias têm uma ligação muito forte com a Mãe Terra e cozinhavam com lenha, embaixo do solo, em uma espécie de buraco, escavado e escorado com pedras e lenha. A panela vai no meio dessa cavidade, que é fechada”, afirma. No Ceiba, o espaço é fechado com uma estrutura de ferro.

A cultura maia acreditava que apenas as mulheres podiam cozinhar, porque elas criam a vida. Os homens ficavam responsáveis pela caça e por marinar as carnes que levavam para casa. “Esse era um pensamento dos anciãos maias, e essa conexão com o que plantam e com a natureza ainda permanece. Obviamente, hoje, homens e mulheres cozinham, tendo consciência dessa base de insumos frescos fornecidos pela natureza”, diz Juan.

O chef garante que há seis anos, quando se mudou para a região da Playa del Carmen, não conhecia nada sobre a cultura local. “Comecei a perceber que as pessoas consumiam coisas em casa que ninguém conhecia e que nem sequer têm nome. Uma delas é das melhores coisas que já comi na vida. Um preparo feito com carne picadinha, rabanete, pepino, cebola e pimenta, com temperos cítricos. Tudo é enrolado como se fosse um taco, mas a carne é marinada como um ceviche quente. Acho incrível o fato de que todos os ingredientes que compõem esses pratos são encontrados no jardim de casa e são sempre saborosos”, afirma. Para Juan, criar  receitas com base na cultura maia é bem tranquilo. “Você simplesmente sente vontade de compartilhar esses sabores com o resto do mundo. E as pessoas que já estão acostumadas com esse tipo de comida ficam chocadas por eu querer reproduzi-la. Mas não é porque você cresceu familiarizado com determinada gastronomia que ela não tem importância. É preciso entender que isso causa um impacto muito grande em quem vem de fora, todos acham incrível. Tenho muito orgulho desses sabores e de poder representar essa cultura tão rica. É meu trabalho lembrar a meus cozinheiros de como a mãe deles preparava a comida, para que eles valorizem o que temos, que é muito especial.”

Juan conta que ser responsável por todos os restaurantes do Rosewood é um trabalho de 24 horas, pois é preciso planejar desde o café da manhã – servido no restaurante Casa del Lago, e uma das melhores mesas de café que já vi: frutas saborosas, queijos diversos, sucos geladinhos servidos em garrafinhas individuais e ainda um menu com opções locais e temperos típicos, com molhos picantes – até o almoço, o lanche da tarde, o jantar, os snacks para os bares e piscinas. “É muito divertido trabalhar desse jeito. Como o hotel preza pelo atendimento exclusivo, tenho um contato mais próximo com os hóspedes, o que me permite conversar com eles, saber do que gostam e até criar coisas na hora. Tratamos todos pelo nome, pois, para nós não é só mais um hóspede, mas uma pessoa especial, que está fazendo parte de nosso convívio.”

01/12

Mayakoba Masters of Food, Wine and Golf

Com todo esse luxo, requinte e boa comida à disposição, nada melhor do que realizar um evento que consiga unir tudo isso em um fim de semana. Assim surgiu o Mayakoba Masters of Food, Wine and Golf, para que as pessoas possam desfrutar desse lugar paradisíaco, aproveitando as atividades que mais lhe agradam, de aulas e campeonato de golfe a provas de vinhos, cervejas e tequilas, aulas de culinária, almoços e jantares imperdíveis com chefs renomados do mundo inteiro. “A ideia é proporcionar aos hóspedes um ambiente luxuoso, no qual seja possível um contato próximo com a natureza, além de unir os melhores profissionais da gastronomia e do golfe mundial”, afirma Emberson, diretor de operações e marketing do grupo Mayakoba no México.

Com a experiência de ter criado eventos semelhantes em outras partes do mundo, Emberson reuniu um time de grandes chefs nessa primeira edição. Interagindo com o chef anfitrião, Juan Pablo, que mostrou a receita do porco maia, servido com purê de avocado, pasta de feijão e cítricos, o festival recebeu o chef Montse Estruch, do restaurante El Cingle, em Barcelona, que mostrou o salmorejo mediterrâneo, com atum, camarão, azeitona e ovo de codorna, uma sopa fria com atum marinado; Felipe Donelly, do restaurante Colonia Verde, em Nova York, que apostou no peito de pato com purê de batata, pimenta-amarela e feijões-verdes; o chef Bruno Oteiza, do restaurante Biko, no México, com destaque para o ravióli de beterraba recheado de framboesa; e Richard Sandoval, que foi o responsável por um jantar memorável. O chef abriu os trabalhos com um belíssimo guacamole, feito com polvo, avocado, jalapeño, pepino, cebola em conserva, sementes de abóbora e servido com tortillas de coentro. Um prato extremamente refrescante e bem temperado, que de cara já mostrou aos comensais que guacamole tem de ser no México. A noite seguiu com tutano tostado, no qual a ideia era despejar um copinho de tequila e tomar diretamente do osso. Um prato inusitado, de sabor marcante, que foi acompanhado de tortillas com pasta de feijão, pico de galo e coentro. O ceviche de camarão continuou na linha dos sabores marcantes por causa da emulsão de pimenta-habanero. Assim como as tortillas com carne de pato desfiada, aipo, pico de galo, chipotle e jicama, uma espécie de batata. Fechando o menu, uma sobremesa composta de torrone e mousse de chocolate. O Brasil esteve muito bem representado pelo craque Flavio Federico, que adoçou o pedaço com o pudim de leite condensado com cachaça e merengue de nozes.

 Ficou com água na boca? Então, corra e aproveite que a segunda edição do Mayakoba Masters of Food, Wine and Golf acontecerá de 20 a 23 de abril.

El Pueblito

El Pueblito é uma praça encantadora, construída entre os hotéis e que simula um pequeno povoado mexicano, com igreja, restaurantes de culinária local e lojinhas. Ideal para quem quer comer um doce no meio do dia, passear ou aproveitar as festas divertidíssimas que acontecem por lá.

Playa Del Carmen

A cerca de 20 minutos do complexo Mayakoba está a Playa del Carmen, onde o agito acontece. Ótima opção para os que procuram por uma culinária tex-mex, bons drinques e compras. A 5a Avenida é uma das mais movimentadas da Playa del Carmen, com comércio de produtos como caveiras típicas mexicanas, chapéus, camisetas e outros tipos de suvenir.

01/12

*Prazeres da Mesa viajou a convite do grupo Mayakoba, do México

Matérias Relacionadas