Colunas

Didú Russo

Muitos desconhecem as diferenças entre os vinhos orgânicos, os naturais e os biodinâmicos. Em termos gerais, você pode considerar como orgânicos os rótulos cuja cultura da vinha seja orgânica. Ou seja, sem nenhum produto químico na lavoura, nada de fertilizantes que não sejam de origem animal ou vegetal, nada de fungicidas, pesticidas, herbicidas.

Os naturais, além de cultura orgânica, não aceitam nem o SO2 ou anidrido sulfuroso, produto que pode até ser natural, mas que em quantidade elevada inibe a evolução da bebida. Isso porque impede a ação do oxigênio que permanece em pequena proporção no gargalo da garrafa. Os biodinâmicos lançam mão de conhecimentos ancestrais, desprezados pelo homem moderno que aderiu aos produtos químicos e se tornou refém deles. A vinha, nesses casos, é trabalhada com dinamização de elementos naturais, considerando as fases de lua e a posição dos astros.

A Confraria dos Sommeliers, pela primeira vez instalada na moderna sala de degustações da Miolo Wine Group, na cidade de São Paulo, convidou Geoffroy de la Croix, produtor biodinâmico na Bourgogne. A família dele produz o renomado Comte Armand, que, infelizmente, é caro e nem vem para o Brasil. Além de produtor, Geoffroy é também importador aqui de vinhos biodinâmicos da França – ele é casado com brasileira e tem uma filha nascida no Brasil.

Continua após o anúncio

Geoffroy surpreendeu a todos os confrades com algumas informações. Uma delas dá conta de que em 1 hectare de terra virgem existem 10 milhões de vidas, entre fungos, cogumelos, insetos, ratos etc., em perfeito equilíbrio ecológico, fato que é dizimado com a ação de produtos químicos. O outro dado é ainda mais impressionante: existem hoje na agricultura mais de 30.000 produtos químicos sendo aplicados, porém apenas 10% deles foram testados em suas implicações quanto à ingestão humana. É assustador, não?

Com tudo isso em mente, voltamos a nosso objetivo: degustar orgânicos, naturais e biodinâmicos. Acompanhe o resultado.

1O LUGAR
DOMAINE ZIND-HUMBRECHT 2004 (PINOT NOIR HEIMBURG), 86 PONTOS, EXPAND.

2O LUGAR
DOMAINE JEAN CLAUDE RATEAU BEAUNE 1ER CRU 2000 LES REVERSÉES, 86 PONTOS, DE LA CROIX.

3O LUGAR
NOVAS 2006 (EMILIANA DO CHILE), 85 PONTOS, MAGNA IMPORT.

4O LUGAR
ORATOIRE DOMAINE ST. MARTIN HAUT COUSTIAS CAIRANNE 2004, 85 PONTOS, DE LA CROIX.

5O LUGAR
CHÂTEAU MOULIN CARESSE 2004, 85 PONTOS, DE LA CROIX.

6O LUGAR
COLOMÉ 2006 (SALTA DA ARGENTINA), 84 PONTOS, DECANTER.

7O LUGAR
DOM DIEGO 2007 (CABERNET SAUVIGNON ROBLE), 84 PONTOS, SP GOURMET.

😯 LUGAR
TORMENTA 2007 (CABERNET SAUVIGNON DE MIGUEL TORRES, CHILE), 83 PONTOS, RELOCO.

9O LUGAR
CHÂTEAU LA GRAVE 2005, 83 PONTOS, DE LA CROIX.

10O LUGAR
A SIRIO 2003 (SANGERVASIO, DA TOSCANA), 82 PONTOS, ZAHIL.

11O LUGAR
ADOBE RESERVA 2008 (CABERNET SAUVIGNON, DA EMILIANA), 81 PONTOS, MAGNA IMPORT.

12O LUGAR
COYAN 2006 (SYRAH, MERLOT, CARMÉNÈRE, CABERNET SAUVIGNON, MOUVÈDRE E MALBEC, DA EMILIANA), 81 PONTOS, MAGNA IMPORT.

13O LUGAR
CHÂTEAU LABLIN THOMAS 2005 (CÔTES DE BOURG), 77 PONTOS, CAVE JADO.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Leia também

Fechar
Botão Voltar ao topo