Prazeres da mesa

PORTO PARA CELEBRAR

Por: Prazeres Da Mesa | 10.sep.2018

A categoria “Colheita” em vinho do Porto é a grande pedida para uma celebração

Eclético como nenhum outro, o vinho do Porto tem diversas categorias de estilos que atendem, cada uma delas, a uma ocasião. Sabe-se que o nobre vinho nos dá o direito de educá-lo, e o tempo faz milagres com esse precioso líquido. Além das categorias Vintage; LBV – Lata Botled Vintage; com denominação de idade de 10, 20, 30 ou mais de 40 anos; a categoria Colheita é reservada para uma celebração marcante. Todo produtor de vinho do Porto tem, logo após a colheita, o doce exercício de separar, por qualidade, os seus vinhos. Separa o que for melhor para esperar que a natureza lhe conceda o status de Vintage, se suas qualidades não atingirem o esperado – um LBV vai muito bem. Dos estoques mais antigos que existem em suas caves, os enólogos pacientemente elaboram blends que farão nascer vinhos com 10, 20, 30 ou 40 anos, obtidos de vinhos velhos guardados, que com o tempo podem vir a dar um resultado único e que represente o estilo da casa produtora.

Caso a produção tenha ocorrido bem, a obtenção de um Porto jovem tinto, que nasce sempre com a denominação Ruby, ou um Porto Branco que apresentem um toque a mais de qualidade, quer na cor, quer nos aromas, e dependendo dos objetivos de cada empresa, que define se deseja investir grandes somas de dinheiro mantendo estoques para o futuro, nasce o Porto Colheita.

Esse tipo de vinho repousa por lei por mais de sete anos em uma barrica de madeira de 550 litros e só pode ser colocado à venda no mercado depois desse período. Então, nesse particular, é que acontece o milagre.

Diversas casas produtoras têm sempre um bom motivo para “reservar uma quantidade de vinho para uma grande data” e, assim, quando chegar o momento, o Porto Colheita, que tem no rótulo gravado o ano de seu nascimento, faz a festa e acaba virando objeto de desejo. Suas garrafas são disputadíssimas no mercado mundial.

Alguns exemplos recentes provam isso. Em 2009, a Casa Andersen colocou à venda 700 garrafas de um Porto Colheita 1910 para celebrar o Primeiro Centenário da Instalação da República, em Portugal. Quando a rainha Elizabeth II, da Inglaterra, completou 60 anos de reinado, a Casa Graham’s colocou à venda um Porto Colheita de 1952, ano da Coroação de Sua Majestade, que custava a bagatela de 350 euros. O estoque sumiu em uma semana. A mesma rainha, quando completou 90 anos de idade, teve um Porto com 90 anos em sua homenagem. Sabemos que todas as casas de origem inglesa de vinho do Porto já têm reservados milhares de litros de Porto para quando acontecer a coroação do príncipe Charles como rei, de seu filho William e do nascimento até do pequeno príncipe George, além dos anos de casamento de cada membro da Família Real.

Ao visitar Vila Nova de Gaia, paramos nas lojas para atender os turistas com uma grande coleção de vinhos datados, que nos levam a fazer verdadeiras loucuras, pois podemos encontrar os vinhos do ano em que nascemos, do nascimento de nossos filhos e amigos queridos, do ano de nosso casamento ou de nossa formatura etc. Assim, podemos afirmar que sempre há um vinho do Porto que nos ajuda a celebrar uma data que nos é cara. As casas que oferecem o maior número de vinhos datados são: Kopke, Burmester, Barros e Almeida, Cálem, Andersen, Ramos Pinto, Real Companhia Velha, Sandeman, Graham’s e Taylor’s.

Minha mulher e eu temos por norma presentear os recém-nascidos no entorno de nossas amizades e família com uma garrafa de vinho do Porto, sempre acompanhada de uma carta que exprime o que desejamos para aquela criança, e uma recomendação para que deguste aquela garrafa ao completar 21 anos. Além, claro, que convide os amigos e as pessoas que mais ama e sinta o que o tempo fez pelo aniversariante e pelo vinho.

Carlos Cabral

*Estuda vinhos há 43 anos. É consultor e um apaixonado pelo tema

Colunas recentes

Colunas