NotíciasVinhos

Merlot, nossa aposta nos tintos

Por Marcel Miwa

 Fotos RJ Castilho

O Vale dos Vinhedos é a primeira denominação de origem (D.O.) brasileira para vinhos e uma das primeiras, em geral, no Brasil. Na prática, isso significa que os rótulos com essa classificação são feitos não apenas dentro de uma zona geográfica restrita e de excelência mas também seguem processos de produção regulamentados que colaboram para alcançar o padrão de qualidade elevado e exclusivo. Um aprofundado estudo liderado pela Embrapa Uva e Vinho identificou que na faixa de 70 quilômetros quadrados entre Garibaldi, Bento Gonçalves e Monte Belo do Sul há particular aptidão para produzir alguns tipos e estilos de vinho. Daí o primeiro passo foi registrar essa região como Indicação de Procedência (IP),  alcançada em 2002, também uma classificação, mas com regras menos rigorosas que uma denominação de origem. A D.O. Vale dos Vinhedos foi reconhecida em 2012 e contempla espumantes, brancos e tintos desde a safra 2009, sendo que entre os tintos o único vinho varietal permitido é o Merlot.

Continua após o anúncio

Entre as inúmeras regras, o rendimento é limitado a 2,5 quilos de uva por planta, e a condução do vinhedo deve ser em espaldeira, a colheita deve ser manual, não é permitida a chaptalização e o vinho deve passar por análises químicas e organolépticas.

Na taça, os vinhos comprovaram que existe um traço comum entre eles, como a boa acidez e álcool moderado, tipicidade rara no contexto sul-americano. No geral, são vinhos que pedem alguma paciência na taça, pois na prova feita em companhia de Gabriel Raele, sommelier do Bardega em São Paulo, os vinhos chegaram ao auge após 30 minutos na taça.

vinho genérico

Miolo Terroir Merlot 2012Miolo Terroir Merlot 2012

Avaliação: 92 // R$ 141,30

A ótima fusão de seus componentes dão a sensação de elegância. Aromas limpos de violeta, ameixa, cereja, avelã e baunilha estão em harmonia. Na boca, a fruta mostra maior intensidade. Os taninos são muito finos e bem polidos, com média intensidade, alinhados ao conjunto. A acidez está presente e dá boa fluidez ao vinho. No final, a fruta mantém sua expressão com algo de grafite. Longo e ótimo.

 

Pizzato DNA 99 Merlot 2011Pizzato DNA 99 Merlot 2011

Avaliação: 92 // R$ 234

Fechado no início, este tinto foi revelando suas camadas na taça. Os aromas de baunilha, chocolate ao leite, cravo e cedro, com o tempo, ganharam a companhia de ameixa, amora e violeta, tudo com boa precisão e equilíbrio. Na boca, apresenta estrutura potente, com taninos firmes e muito finos, ótima acidez e a fruta mostra maior presença. No final, bastante longo, fica o perfume de café, pão tostado e bala de cereja. Tudo indica um promissor futuro para este vinho.

PECULIARE-merlot-do-2011Peculiare Merlot 2011

Avaliação: 91 // R$ 93

Uma amostra curiosa e até certo ponto exótica. No olfato, destacam-se as notas de especiarias que remetem aos clássicos toscanos: canela, cravo, flor seca e ervas. A fruta (ameixa e amora) é bastante precisa e integrada ao conjunto. Na boca, aparecem mais referências balsâmicas, taninos muito finos  começando a amaciar e bom frescor. No final, notam-se  pimenta branca e flores secas. Excelente para tomar hoje.

 

-Alma-Unica-Merlot-DO-2010-BxAlmaúnica Merlot Reserva 2012

Avaliação: 90 // R$ 60

Junto com Dom Cândido e Pizzato Reserva, segue o estilo concentrado, com maior extração. Aqui tanto a fruta quanto a madeira encontram bom equilíbrio e definição. Aromas de cedro, especiarias (pimenta-negra e cravo) e baunilha, com fruta negra madura (ameixa) e romã. A boa acidez, taninos finos com alguma potência e leve untuosidade formam um conjunto com bom apelo.

 

MERLOT-DOCUMENTO-2009-cópiaDom Cândido Documento Merlot 2011

Avaliação: 89 // R$ 71

Bastante fechado no início, apenas indicava uma fruta negra madura e concentrada com tosta alta (chocolate), algo que lembrava um Porto da família Ruby. Depois de alguns minutos, os aromas ganharam definição e as notas de violeta, ameixa, cânfora, grafite, pólvora e cacau surgiram.
O concentrado conjunto tem taninos intensos e bem polidos, mantendo a acidez equilibrada. Para tomar hoje merece uma passagem pelo decanter.

APAGAR-SAFRA---Pizzato-Merlot-Pizzato Merlot Reserva 2013

Avaliação: 89 // R$ 79

No início, os aromas da passagem pelas barricas de carvalho (francesa e americana) predominam: baunilha, manteiga queimada, nozes estão no primeiro plano, com fruta negra madura (ameixa e amora) depois. Com alguns minutos na taça, a fruta ganha força e a boca mostra taninos vigorosos e ótima acidez.
No final, retornam as referências do carvalho com cacau, baunilha e cravo. O tempo em garrafa deve ajudar nessa integração da fruta com a madeira.

 

Merlot-DO-2012-Don-LaurindoDon Laurindo Merlot Reserva 2012

Avaliação: 88 // R$ 65

O estilo mais leve e floral do painel. O visual menos concentrado já indicava a proposta mais descontraída. Com aroma bastante floral e de ameixa fresca. Estrutura delicada, com boa acidez, toque láctico, taninos finos e discretos. Um bom passo de entrada aos Merlot dessa denominação de origem.

 

Avaliações:

Excecional – de 94 a 10 pontos

Ótimo – de 88 a 93 pontos

Muito bom – de 83 a 87 pontos

Bom – de 78 a 82 pontos

Aceitável – de 71 a 77 pontos

Não recomendável – abaixo de 70

*Os preços foram chegados em agosto diretamente na vinícola e podem sofrer alteração 

*Matéria publicada na edição 157 de Prazeres da Mesa

 

Mostrar mais

Prazeres da Mesa

Lançada em 2003, a proposta da revista é saciar o apetite de todos os leitores que gostam de cozinhar, viajar e conhecer os segredos dos bons vinhos e de outras bebidas antecipando tendências e mostrando as novidades desse delicioso universo.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo