Destaque PrincipalNotíciasReportagens

É do Japão

Macio e adocicado, o pão de Hokkaido faz toda a diferença no katsu sando, do Izakaya Taka Daru

Nos últimos anos, com a ascensão dos izakayas, tornou-se comum ir aos restaurantes japoneses sem a pretensão de comer sushi ou sashimi. Ramen, tako-yaki, tonkatsu e katsu sando são preparos que, cada vez mais, tornam-se comuns ao paladar dos brasileiros.

pão de Hokkaido - é do japão
O chef Uilian Goya, que comanda
o Izakaya Taka Daru, contou com
a ajuda da padeira Virginia Oda para desenvolver o pão do katsu sando | Foto: Ricardo D’Angelo

Para quem ainda não está familiarizado com o katsu sando, a receita nada mais é do que o sanduíche de tonkatsu – filé de porco empanado em farinha Panko. Reproduzido nos principais izakayas do país, o sanduíche, montado no pão de forma, ganhou várias versões com diferentes acompanhamentos. O chef Uilian Goya, que comanda o Izakaya Taka Daru, em São Paulo, conta que demorou para criar uma receita, pois não encontrava o pão perfeito para seu katsu sando. “Eu já tinha desenhado o preparo todo em minha cabeça, mas estava travado no pão.  Queria também um que pudesse usar como base para minha farinha Panko”, afirma.

Uilian Goya, então, entrou em contato com a padeira Virginia Oda e, juntos, desenvolveram uma receita específica para o pão do katsu sando. Depois de alguns testes, a dupla optou por uma receita milenar, tradicional da Ilha de Hokkaido, no Japão. “Por ser descendente de japoneses, a Virginia conseguiu compreender muito bem o que eu queria passar com meu lanche”, diz Goya.

Continua após o anúncio

Trabalhoso e delicioso

O pão de Hokkaido é adocicado e extremamente macio. Similar ao pão de leite, a principal diferença está na durabilidade. Devido a seu método chamado de tangzhong, ele consegue manter a textura por até cinco dias, sem ficar ressecado. “Antes de preparar o pão, é preciso fazer um roux de água e farinha, o tangzhong. Essa mistura muda toda a estrutura da massa. O roux é responsável por um pré-gelatinismo na massa, portanto, a farinha consegue manter mais umidade fazendo com que o preparo dure muito mais tempo”, afirma Virginia Oda.

A receita é trabalhosa, são 36 horas para finalizá-la. “Eu nunca tinha feito pão de forma antes. E esse, especificamente, é bem complicado. É preciso preparar primeiro o roux, esperar esfriar, depois bater a massa, trabalhar com o levain e só então colocar para assar”, diz. Mas, a espera compensa, pois resulta em um pão leve e delicioso. “Até a maneira como se o desmembra é diferente. O pão de forma tradicional é mais compactado, esse rasga. Dá para ver a fermentação dentro das lascas. É mais vida”, afirma Goya.

A sova e o modo de modelar também são essenciais para se ter um pão de Hokkaido perfeito. “Há um jeito específico para modelar. Primeiro, faço um triângulo com a massa, dobro-o em três fatias, abro uma segunda vez e, então, faço um rolo. É assim que vai para a forma”, diz a padeira.

Pão de Hoddaiko
Pão de Hokkaido | Foto de Ricardo D’Angelo

Duas vezes Hokkaido

“No meu katsu sando, apresento o pão de Hokkaido com duas texturas diferentes. Na base do sanduíche e na empanação do lombo suíno. Com esse pão, faço minha Panko que me permite trabalhar muito bem o nível de gordura e açúcar da receita. Se fosse outra farinha, teria de usar muito mais óleo para empanar”, afirma Goya.

“Quase nenhum restaurante em São Paulo faz a própria Panko, normalmente usam a industrializada. Isso faz toda a diferença”, afirma Virginia, que prepara os pães em seu ateliê, e costuma entregar no Izakaya Taka Daru de duas a três vezes por semana. Devido ao longo tempo de preparo, infelizmente, ela não vende o pão de Hokkaido para outros clientes, por isso, para provar só mesmo indo ao restaurante ou tentando reproduzi-lo em casa, já que a chef compartilhou a receita com Prazeres da Mesa. E, para ninguém passar vontade, Uilian Goya também aproveitou para passar a receita do katsu sando.

pão de Hokkaido - é do japão
Katsu sando | Foto: Ricardo D’Angelo

*Matéria originalmente publicada na edição 193 de Prazeres da Mesa

Etiquetas
Mostrar mais

Stephanie Vapsys

Foi vendendo cupcakes na feira de empreendedorismo da escola, aos 15 anos, que Stephanie Vapsys se encantou pela confeiteira e, posteriormente, pela gastronomia. A jovem que nunca recusa um docinho ou um convite para jantar, decidiu cursar jornalismo na Faculdade Cásper Líbero por ser fã de literatura e fascinada por contar boas histórias. Desde 2015, na redação de Prazeres da Mesa, a repórter tem a oportunidade de conviver diariamente com sua grande paixão. Entre viagens, idas ao teatro ou ao cinema sempre aproveita a deixa para conhecer um bom restaurante por perto.

Artigos relacionados

Leia também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar