Destaque PrincipalNotíciasReportagens

Futuro Burger é o primeiro hambúrguer brasileiro 100% vegetal

Unindo os conceitos de tecnologia e sustentabilidade, a Fazenda do Futuro criou uma receita com cor, textura e sabor semelhante ao da carne bovina. A novidade já está disponível em restaurantes e supermercados

Com slogans como “tornando frigoríficos obsoletos desde 2019”, “experimente um pedaço do futuro” e “plantando a mudança desde 2019”, a Fazenda Futuro chegou mostrando o seu desejo de mudanças. Unindo os conceitos de tecnologia e sustentabilidade, a empresa é a primeira foodtech brasileira a desenvolver búrguers a partir de vegetais.

Fundada por Marcos Leta, criador da marca de sucos Do Bem, a Fazenda do Futuro se inspirou em empresas internacionais como a startup estadunidense Impossible Foods para desenvolver seu primeiro produto, o Futuro Burger. Desde 2011, a Impossible Foods lança carnes e laticínios feitos à base de vegetais com sabor, aroma e textura praticamente idênticos aos originais. A receita de búrguer da startup fez tanto sucesso que está sendo inserida até na rede de fast-food Burger King.

Marcos Leta teve contato com o universo das foodtechs e se impressionou com o mercado plant based. Semelhante ao veganismo, o plant based é um conceito de alimentação que exclui qualquer tipo de produto de origem animal. Mas, esta alimentação está ligada diretamente a um estilo de vida mais simples e sustentável.

Continua após o anúncio

Leta viu a tendência gastronômica como oportunidade de negócio e percebeu que poderia replicar o modelo no Brasil. “Estudamos como funcionavam as foodtechs e o mercado plant based. A partir disso, começamos a coletar dados e diretrizes sobre como poderíamos desenvolver esse tipo de tecnologia por aqui. No final de 2017, começamos a formulação do Futuro Burger, nosso primeiro produto”, diz Leta.

Versão 1.0

Com produção em Volta Redonda, no Rio de Janeiro, o Futuro Burger é feito a partir de proteína de ervilha, proteína isolada de soja e de grão-de-bico, além de beterraba para dar cor. “Todos são ingredientes de qualidade e livres de transgênicos. É uma alternativa mais sustentável não só para veganos e vegetarianos, mas também para quem deseja consumir menos carne”, afirma.

Outra similaridade é em relação ao índice proteico. O Futuro Burger leva 17 gramas de proteína. “Há todo um cuidado para reproduzir uma versão com valor nutricional muito próximo ao da carne vermelha. Trazemos a mesma quantidade de proteínas, mas reduzimos a gordura”.

O Futuro Burguer chegou aos restaurantes e supermercados em maio, mas a Fazenda Futuro adiantou que essa primeira versão ainda é um teste, por isso ela foi apelidada de 1.0. “A 2.0 está próxima de acontecer. Será uma evolução do produto a partir dos feedbacks que recebemos”.

A ideia é que a receita passe por mudanças até que todos possam optar pelo produto, de carnívoros a veganos. “A revolução alimentar com produtos que oferecem o mesmo sabor e textura dos de origem animal já é uma realidade. Agora queremos fazer com que essa opção fique mais barata do que a carne de origem animal. Além de aprimorá-la com novas versões para que se aproxime cada vez mais da original. ”

Futuro Burger é o primeiro hambúrguer brasileiro 100% vegetal
Fotos Carol Gherardi/Divulgação

Direto para os restaurantes

Ainda antes de estrear nas gôndolas, o Futuro Burger foi inserido no menu de dois restaurantes: a Lanchonete da Cidade, em São Paulo, e o T.T Burger, no Rio de Janeiro. Thomas Troisgros criou o FUTURO ™️ T.T., uma receita de hambúrguer que leva o búrguer vegetal.

Já a Lanchonete da Cidade determinou que todos os lanches da casa podem ser feitos com a novidade. “Acompanho há mais de dois anos o sucesso dos búrguers feitos a partir de vegetais. Quando soubemos da existência de um projeto sendo desenvolvido aqui no Brasil, entramos em contato imediatamente. Julgamos que seria ultrarrelevante para nossos clientes”, diz Ricardo Garrido, sócio da Lanchonete da Cidade.

Mas quem tem dificuldade de escolher entre tantas opções pode pedir o LC Futuro. O lanche leva pão, queijo e maionese veganos, alface e tomate orgânicos. A receita foi desenvolvida pelo chef Guillermo Teran, que antes de assumir as grelhas da lanchonete foi vegano por 8 anos.

“Eu lembrei bastante do meu passado pensando nessa receita. Eu sei que boa parte do público vegano quer um lanche que lembre o sabor do x-salada da infância. Por isso, optamos por acompanhamentos clássicos e ao mesmo tempo não podemos deixar de pensar na relação com o meio ambiente. Então, usamos também ingredientes orgânicos”, conta Teran.

Em casa

Outra opção é levar o búrguer vegetal para casa. O produto congelado está disponível no Pão de Açúcar e no St. Marché (SP), em La Fruteria (RJ) e Zona Sul (RJ) e no Verdemar (MG). O preço sugerido é de 16,99 reais  a embalagem com duas unidades. “Acredito que o futuro ideal começou com a nossa chegada aos supermercados. Estamos lado a lado de carnes de origem animal nas gôndolas e freezers”, conta Marcos Leta.

Quem quiser testar em casa, o chef Guilherme Teran adianta que deve tratar o Futuro Burguer da mesma maneira que um de origem animal. “Mal dá para notar a diferença, a textura é praticamente a mesma”, conta.

O futuro da Fazenda do Futuro  

Além de desenvolver a versão 2.0, a Fazenda do Futuro adianta que não pretende parar por aí. A foodtech firmou uma parceria com a rede Spoletto para criar versões vegetais de almôndegas, polpetones e carne moída para o molho bolonhesa. As novidades devem chegar às lojas no segundo semestre deste ano. “Nosso objetivo é cada vez mais ser uma alternativa à carne de origem animal e, por isso, parcerias como essa são tão importantes”, afirma o fundador.

Quando perguntado se virão outros produtos além desses, a resposta de Marcos Leta não poderia ser outra: “Sim, em um futuro não tão distante”.

Futuro Burger é o primeiro hambúrguer brasileiro 100% vegetal
Fotos Carol Gherardi/Divulgação

 

 

 

Etiquetas
Mostrar mais

Stephanie Vapsys

Foi vendendo cupcakes na feira de empreendedorismo da escola, aos 15 anos, que Stephanie Vapsys se encantou pela confeiteira e, posteriormente, pela gastronomia. A jovem que nunca recusa um docinho ou um convite para jantar, decidiu cursar jornalismo na Faculdade Cásper Líbero por ser fã de literatura e fascinada por contar boas histórias. Desde 2015, na redação de Prazeres da Mesa, a repórter tem a oportunidade de conviver diariamente com sua grande paixão. Entre viagens, idas ao teatro ou ao cinema sempre aproveita a deixa para conhecer um bom restaurante por perto.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo